Maksoud Plaza entra com pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo

O Maksoud Plaza entrou ontem com pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo. O pedido envolve dívidas da ordem de R$ 120 milhões, incluindo dívidas trabalhistas e demais credores. As dívidas tributárias, estimadas em R$ 400 milhões, ficaram foram do processo.

O pedido envolve o grupo Maksoud de hotéis, que inclui a HM Hotéis (Maksoud Plaza), a Hidroservice (holding) e suas controladas Manaus Hotéis e Turismo e HSBX Bauru Empreendimentos.

Quando o fundador do hotel, Henry Maksoud faleceu, em 2014, seu neto, que começou a trabalhar no hotel aos 15 anos de idade, na década de 1980, assumiu o comando do Maksoud Plaza.

Formado em Economia, Maksoud Neto contratou a consultoria Sonne para definir um plano estratégico para o hotel, implantou regras de governança corporativa, fez mudanças na oferta de serviços. Em 2019, o hotel faturou R$ 72,5 milhões, ante R$ 43 milhões em 2014. O hotel fechou 2019 com margem líquida de 4%, o primeiro ano no azul desde 2000. A taxa de ocupação média ficou em 62%, ante 46% em 2014.

A maior dívida do Maksoud Plaza é com a Ajinomoto e gira em torno de R$ 80 milhões. Em 2005, o grupo vendeu um terreno para a Ajinomoto. Três anos depois, em uma decisão da justiça, o mesmo terreno foi a leilão para pagar uma dívida trabalhista do grupo. A Ajinomoto entrou com ação na Justiça para reaver o valor do terreno.

Outra dívida, de R$ 7,4 milhões, refere-se a um processo movido pelo BMC, que foi adquirido pelo Bradesco em 2007. “Todas as dívidas são antigas. Não temos dívida bancária vencida”, afirmou Maksoud Neto.

A dívida mais recente, estimada em cerca de R$ 8 milhões, refere-se à dívida trabalhista gerada com demissões na semana passada. Esse valor também inclui 30 ações trabalhistas antigas do grupo.

Maksoud Neto disse que o pedido de recuperação judicial foi feito incluindo as empresas do grupo porque sua intenção é usar ativos das empresas para ajudar a pagar as dívidas. O patrimônio do grupo inclui um terreno de 7,7 mil metros quadrados no centro de Bauru (SP), que seria usado para a construção de um hotel e um shopping center, mas o Maksoud não teve recursos para isso. (Valor Econômico)

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Recuperação das cidades Pós-Covid-19 precisa de planejamento macro

Como serão as cidades brasileiras Pós-Covid-19? Como nossos governantes planejarão o futuro? Essas e outras perguntas foram discutidas na última terça-feira (20), na palestra...

Começa nesta quinta-feira (22) o 35º Natal Luz de Gramado

A 35ª edição do Natal Luz de Gramado inicia no final da tarde desta quinta-feira, dia 22, às 18 horas em cerimônia na Villa...

Certificação de Bandeira Azul em Santa Catarina tem investimentos da Santur

Com a intenção de aumentar a presença da Bandeira Azul em praias catarinenses nos próximos anos, a Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa...

Conotel – Edição Especial acontece de maneira híbrida nos dias 28 e 29 de outubro

Um dos principais eventos da hotelaria no Brasil, o Congresso Nacional de Hotéis – Conotel, apresenta sua edição especial 2020, que acontecerá de forma...

LATAM é condenada a pagar R$ 500 mil por dispensa coletiva abusiva

O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15), por meio de sua Seção de Dissídios Coletivos, julgou pela procedência parcial de uma ação...

Pesquisa revela o perfil comercial das agências paulistas

A Secretaria de Turismo do Estado, por meio da Coordenadoria de Turismo e do Centro de Inteligência e Economia do Turismo (CIET), acaba de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat