A mera indicação não constitui “Venda Casada” – por Marcelo Soares Vianna

Por Marcelo Soares Vianna*

Ao comercializar um pacote de turismo, a agência indicou a corretora de câmbio para que a cliente adquirisse dólares para a viagem. Surpreendida com duas notas falsas de cem dólares, a cliente ajuizou ação contra a corretora de câmbio e a agência, alegando “venda casada”. Semana passada, o Tribunal de Justiça de São Paulo julgou o caso**, concluindo pela ausência da prática de venda casada por parte da agência, pois que houve mera indicação da corretora de câmbio, sem condicionar a aquisição dos dólares à compra do pacote de viagem.

Ocorre que a chamada venda casada, proibida pelo Código de Defesa do Consumidor e tida como infração à ordem econômica pela Lei n. 12.529/2011, acontece quando o fornecedor subordina a compra de um produto ou serviço à aquisição de outro. Por exemplo: só pode comprar o pacote de turismo se comprar junto o seguro viagem.

No caso em destaque, conforme bem esclarece a decisão: “(…) não há qualquer indício de prova de que a Agência de Viagens teria condicionado a venda dos pacotes de viagens em causa à aquisição de dólares pela consumidora exclusivamente no estabelecimento de câmbio demandado”.

Por outro lado, a mesma decisão condenou a corretora de câmbio a indenizar a cliente pelo valor em reais pago pelos dólares falsos, acrescido ainda do IOF incidente na operação, considerando para tanto que “cabia à Casa de Câmbio ré, na condição de Fornecedora, a comprovação da regularidade do serviço de câmbio”, contudo, “a Casa de Câmbio fornecedora não fez prova de que forneceu à consumidora somente notas verdadeiras”.

*Marcelo Soares Vianna é mestre em direito, advogado atuante no setor do turismo, sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br) e responsável técnico pelo conteúdo desta coluna. Para eventuais considerações sobre o material publicado, está à disposição pelo endereço: marcelo@veof.com.br

 

** TJSP. 27ª Câmara de Direito Privado. Recurso de Apelação n. 1004801-80.2015.8.26.0562. Rel. Des. Daise Fajaro Nogueira Jacot. Data do julgamento: 09.08.2016.

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Morre o amigo, colega e ex-presidente da ABIH Nacional, Eraldo Alves da Cruz

Por Paulo Atzingen Generoso, amigo, e um homem que deixava muito clara sua fé, por meio de gestos, palavras e postagens no facebook. Estou falando...

Energia Solar e Eólica atingem 67% de geração de energia elétrica no mundo

As fotovoltaicas (PV) dominaram o setor como a principal nova fonte de tecnologia de geração de energia adicionada às redes de dezenas de países...

Pousada Gaia Viva aceita cães e humanos entram

Concebida para ser um verdadeiro paraíso dog friendly, a Pousada Gaia Viva é o destino perfeito para quem quer relaxar e desfrutar de excelentes...

Paul Pennicook, CEO do Curaçao Tourist Board, fala ao DT sobre a retomada

A crise provocada pela pandemia de coronavírus impactou profundamente o turismo mundial e inaugurou uma realidade inédita nos mercados de modo geral. Foram poucos...

Melbourne, na Austrália, suspende toque de recolher nesta segunda (28)

O toque de recolher noturno em Melbourne será suspenso a partir desta segunda-feira (28), quase dois meses após entrar em vigor na segunda cidade...

Amazonas tem queda de 66% no faturamento do turismo

O setor de turismo no Amazonas registrou uma queda de 66% no faturamento devido às medidas de isolamento social adotadas em virtude da pandemia...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat