Mercado rodoviário vira opção para agentes de viagem

Mais competitivo e digital, o mercado de transporte rodoviário vira opção para agentes de viagem e passageiros, em meio a um cenário de aumento de preços de passagens aéreas.

Historicamente, a escolha entre fazer uma viagem de ônibus ou de avião tinha um fator de diferenciação: a grande diferença de preços entre os dois modais.

Outro componente que contava a favor do aéreo era a experiência do usuário: as promoções-relâmpago e a comodidade na hora de comprar a passagem tornavam a oferta muito mais atrativa do que o (até então) pouco digital mercado rodoviário.

Mas uma série de fatores está mudando o jogo para empresas e usuários das linhas de ônibus intermunicipais, interestaduais e também internacionais.

Um dos principais motivos é a disparada de preços das passagens aéreas no Brasil desde o ano passado – em torno de 19,3% em 2021 e de quase 15% nos primeiros meses do ano, segundo dados da ANAC e de plataformas como a Onfly. O setor rodoviário, por sua vez, vive uma situação inversa.

“Com a digitalização de viações – que fortaleceram a venda online e que usam tecnologias de precificação dinâmica – e a concorrência de novos players digitais (Buser, Flixbus, Wemobi, entre outras), há uma variação inédita dos preços de passagens”, afirma José Almeida, diretor da BuscaOnibus , plataforma pioneira no Brasil de comparação de preços no setor rodoviário, que agrega informações de mais de 250 viações.

Pesquisa realizada pela empresa em algumas das principais rotas nacionais e regionais no país mostrou que não é incomum encontrar bilhetes com uma diferença de 400% a 500% e, em alguns casos mais extremos, de até 18.000%.

Um exemplo: em abril passado, o viajante poderia encontrar passagens no trecho São Paulo/Rio entre R$ 15 e R$ 350. Os bilhetes rodoviários foram um dos destaques da Black Friday no ano passado, com promoções que chegaram a até 90% do preço convencional – algo impensável há até pouco tempo.

Mercado rodoviário é oportunidade a ser analisada

Esta evolução do mercado rodoviário não está passando despercebida pelos agentes de viagem, que tradicionalmente tinham como referência o aéreo como parte de suas ofertas para trechos de média e longa distância.

“Os ônibus hoje estão muito mais confortáveis do que os aviões”, comenta Conceição Junckes, presidente da Associação Brasileira de Agentes de Viagem de Santa Catarina (ABAV/SC).

Durante a pandemia, a entidade incentivou as viagens de curta distância e criou, com apoio do Sebrae/SC, o “Guia de Receptivos SC”, para apoiar os agentes a valorizar destinos locais no estado.

“O setor rodoviário tem investido muito em conforto e serviços, então algumas determinadas linhas mais longas (até 800 km, por exemplo) podem até competir na experiência do usuário com o aéreo – também porque o aumento das passagens tem feito o consumidor buscar alternativas”, ressalta Almeida.

Como alguns players do setor avaliam, é possível que mais brasileiros viajem agora em 2022 do que no período pré-pandemia, mas que prefiram destinos mais curtos e gastem um tíquete médio menor do que naquele período.

“Estamos em uma outra era do turismo”, comenta a presidente da ABAV/SC, que ressalta a importância de empresas de viação e agentes de turismo “entrar em consenso para reduzir as margens de lucro, uma negociação necessária em função do aumento de custos, especialmente do combustível. Mais pra frente, o setor voltará ao que era antes da pandemia, mas precisamos dar os primeiros passos”.


EDIÇÃO DO DIÁRIO DO TURISMO com agências

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial