Palácio da Inquisição de Cartagena choca e atrai por suas verdades

A casa tipicamente colonial apresenta um pátio muito espaçoso onde foram instaladas réplicas de peças utilizadas para punir ou matar pessoas

por Paulo Atzingen (De Cartagena)*

As peças de ferro bruto que serviram para torturar e matar hereges, padres sedutores, bruxas curandeiras, luteranos protestantes e qualquer um que pudesse incomodar o Santo Ofício da Igreja Católica entre os séculos XVII e XIX estão expostas no Palácio da Inquisição em Cartagena como um símbolo de uma época tenebrosa em que papas e reis eram deuses. O lugar é do mesmo naipe do Museu de La Memória del Medellín (que o DIÁRIO também visitou) que documenta a insanidade do cartel do tráfico de Pablo Escobar, numa época mais próxima. A Colômbia transforma suas noites escuras em dias de sol para turista passear e dá exemplos de nação amadurecida, reerguendo-se inteira após beijar a lona dos direitos civis e dos direitos humanos. Um excepcional modelo a alguns países do Cone-Sul.

A casa onde hoje está situado o Museu conhecido como Palácio da Inquisição é, na realidade, um conjunto de três sobrados e uma casa térrea. Foram construídas por volta de 1770 para servir como sede do Tribunal do Santo Ofício já estabelecido em 1660 na colônia caribenha, na mesma casa térrea citada e, no mesmo endereço no centro da cidade velha, na atual e turística Plaza Bolivar.

Este período tenebroso em Cartagena durou 211 anos se estendendo de 1610 a 1821.
Este período tenebroso em Cartagena durou 211 anos se estendendo de 1610 a 1821.

Continue lendo essa matéria!

Para continuar essa matéria basta entrar com o seu email abaixo.
É inteiramente GRATUITO.
Seu email estará seguro de SPAM!

Fogueira e Autos de Fé

A repressão a práticas religiosas de luteranos e judeus, proibição de porte, posse e leituras de livros “profanos” como A Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant e Madame Bovary de Gustave Flaubert, a perseguição a pessoas ligadas a feitos de bruxaria, práticas de bigamia, de adultério ou usura resultaram em mais de 800 réus processados pela inquisição, somente em Cartagena. Desses,  56 autos de fé foram lavrados e cinco pessoas foram queimados na fogueira.

Os autos de fé nada mais eram que eventos de penitência realizados publicamente (ou em espaços reservados para isso) com humilhação de heréticos e apóstatas bem como punição aos cristãos-novos pelo não cumprimento ou vigilância da nova fé lhes outorgada, postos em prática pela Inquisição. A exposição pública e humilhante foi uma técnica muito utilizada pelo Santo Ofício para impor respeito e deflagrar o medo.

Desgarrador de seios: aplicado em mulheres hereges ou adúlteras
Desgarrador de seios: aplicado em mulheres hereges ou adúlteras

Réplicas

A casa tipicamente colonial apresenta um pátio muito espaçoso onde foram instaladas réplicas de peças utilizadas para punir ou matar pessoas; entre elas uma guilhotina, inventada pelo médico francês Joseph Ignase Guilhotin (não utilizadas em Cartagena) e a forca, instrumento de execução mais usado no mundo e que foi, segundo documentos do museu, utilizada em Cartagena.

No interior do Museu réplicas de instrumentos de tortura chocam por seu objetivo de uso, mas também por sua aparência sinistra: a forquilha de herege – instrumento colocado em torno do pescoço com uma ponta de ferro afiado no queixo e no peito do acusado; o desgarrador de seios aplicado em mulheres hereges ou adúlteras e o colar de pregos que dispensa descrições,  utilizado tanto para torturar como para executar.

Livros "profanos" como A crítica da Razão Pura de Immanuel Kant e Madame Bovary de Gustave Flaubert eram queimados
Livros “profanos” como A crítica da Razão Pura de Immanuel Kant e Madame Bovary de Gustave Flaubert eram queimados

Tempo do Tribunal

Este período tenebroso em Cartagena durou 211 anos se estendendo de 1610 a 1821. O Tribunal do Santo Ofício da Inquisição foi extinto com a Independência da Colômbia em 1873. Preservação da Memória, valorização da história e o reconhecimento de equívocos mostram mais uma vez que a Colômbia aprende com os erros e segue respeitada no cenário mundial não escondendo seu passado (é assim com o Museu de La Memória de Medellin, que mostra a fratura exposta deixada por Pablo Escobar). O Museu Histórico de Cartagena de Indias – MUCA – e a Cidade de Medellin com muita coragem e profissionalismo tornaram aquele período de intolerância e irracionalidade uma ponte para o acesso à cultura de sua gente e um produto turístico para todos os que aqui chegarem.

Serviço:

O Palácio da Inquisição  (Palácio de la Inquisicion) íntegra o Museu Histórico de Cartagena e localiza-se na Plaza Bolivar – centro de Cartagena.
Contatos e mais informações: (+57) 6606025 – www.muhca.gov.co
Horário de Funcionamento: 9h às 18hs de segunda a sábado e 10h às 16hs aos domingos e feriados –
Preço: R$ 20,00
Veja mais algumas fotos:
*Paulo Atzingen é jornalista e fundador do DIÁRIO DO TURISMO e DIÁRIO DOS HOTÉIS – publicado originalmente dia 6 de novembro de 2017
** O jornalista viajou com seguro GTA

1 COMENTÁRIO

Comentários estão fechados.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial