Presidente da Associação de Resorts desabafa: “precisamos do socorro do governo”

As mais representativas entidades do Turismo Brasileiro juntaram forças para apresentarem ao governo o seu potencial econômico e assim sensibilizá-lo para apoiar o setor em um momento tão difícil por conta da pandemia do Covid-19 que atingiu frontalmente o Brasil.

REDAÇÃO DO DIÁRIO


 

As oito associações e federações que assinam a carta destinada ao governo brasileiro representam, conjuntamente, a maior rede de distribuição de viagens por meio de todos os serviços turísticos demandados por consumidores de todo o Brasil. São elas: Associação das Empresas de Parques de Diversões do Brasil (ADIBRA); Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH); Brazilian Luxury Travel Association (BLTA)
Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA); Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB); Resorts Brasil (Associação Brasileira de Resorts); Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (SINDEPAT)
União Nacional de CVBx e Entidades de Destinos (UNEDESTINOS)

O DIÁRIO entrou em contato com o presidente da Resorts Brasil, Sérgio de Souza, que não mediu palavras para apresentar um quadro nefasto para o setor. “Nossa carta é um pedido de socorro, porque todo o nosso setor de hotelaria, parques, o turismo em geral está preocupado com as linhas de ação do governo para garantir, em primeiro lugar a manutençaõ dos postos de trabalho de todos os nossos colaboradores em segundo manter a cadeia hoteleira de parques do país. esse é o nosso grande ponto. a nossa grande solicitação. Esperamos que o governo entenda a gravidade do nosso setor e que o governo tome uma atitude em nosso socorro”, falou Sérgio ao DT.

OUÇA:

Entidades suplicam providências

O setor do turismo faturou em 2019, a cifra de R$ 238,6 bilhões, considerando a o
conjunto de de atividades e serviços de hospedagem e similares, bares e restaurantes, transporte de passageiros, agências de viagens e cultura e lazer. Isso representa o
número de pessoas formalmente empregadas nas atividades turísticas totalizando 2.983.080 (quase três milhões) de trabalhadores.

“O mês de março de 2020, as taxas de cancelamento de viagens já ultrapassam 85%
(oitenta e cinco por cento). Se considerado o mês de março do ano de 2019 que apresentou faturamento deste setor Turismo de R$19,2 bilhões de reais, os impactos são reais, incontestáveis”, afirma Roberto Nedelciu, presidente da Braztoa.

Extremamente preocupadas com a manutenção de milhares de empregos – o que impacta diretamente na sobrevivência de inúmeras famílias – as entidades reforçam que a MP 927 não apresenta, infelizmente, conteúdo a suportar e confortar de qualquer forma este segmento.

Bahia, território de grandes resorts (Crédito: VIP 360º/DT)

Carta 

“Por tal contexto, suplicamos a presente atenção e ajuda de Vossa Excelência para viabilizar a este segmento reais condições de cuidar de nossos colaborares, de suas famílias, de nossa atividade, do Turismo do Brasil! Em tempo, ratificamos em todos os termos e declaramos apoio ao mesmo pleito realizado concomitante a este nosso de
entidades irmãs que também representam o Turismo de nosso país;

A carta na íntegra:

CARTA ABERTA AO GOVERNO FEDERAL

A MP 927 NÃO ATENDE AOS EMPREGOS DO SETOR DE TURISMO.

Com 80% dos hotéis e resorts e a totalidade de parques e atrações turísticas do Brasil FECHADOS, os setores apelam por ajuda do governo federal para manter os empregos. As restrições às viagens ao redor do mundo em função da Pandemia e a necessidade de isolamento social PARALIZAM a cadeia de turismo e assolam a economia de forma global.

As MPs anunciadas até o momento pelo governo federal brasileiro, sobretudo as trabalhistas, não representam NENHUMA solução para o setor. Diferentemente de outros setores econômicos, onde há queda na produção, o TURISMO PAROU. De que adianta diminuir jornadas de trabalho ou salários, ou autorizar o teletrabalho se PARQUES E HOTÉIS JA ESTÃO FECHADOS? Não havendo DESLOCAMENTO de pessoas, não há prestação de serviços e não há produção. TURISMO NÃO SE ESTOCA. Comunidades e destinos inteiros podem sofrer com o DESEMPREGO!

Os setores representados pelas associações hoteleiras e de parques do Brasil, Resorts Brasil, ABIH, FOHB, FBHA, BLTA, Sindepat, Adibra e Unedestinos REAFIRMAM: as empresas não suportam este impacto financeiro, não é prejuízo, é FALÊNCIA iminente e supressão imediata dos empregos deixando de movimentar R$ 31,3 bilhões na economia brasileira.

Nossa luta é para manter mais de 1 milhão de empregos diretos e indiretos. Se países como França, Espanha, Portugal, Itália, Estados Unidos, Argentina, Uruguai adotaram medidas imediatas para manter empregos e salvar a economia do turismo, o BRASIL deve fazer o mesmo. Se não o fizer, a recessão levará ao caos completo com desemprego e violência, nada menos de 4 milhões de pessoas impactadas (mais da metade da população do Rio de Janeiro ou 1/3 da população de toda a cidade de São Paulo). Um desastre total para a recuperação não só da economia, mas da imagem do DESTINO BRASIL. Essa luta não é só nossa, é do Brasil.

Associação das Empresas de Parques de Diversões do Brasil (ADIBRA)
Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH)
Brazilian Luxury Travel Association (BLTA)
Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA)
Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB)
Resorts Brasil (Associação Brasileira de Resorts)
Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (SINDEPAT)
União Nacional de CVBx e Entidades de Destinos (UNEDESTINOS)

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Medidas do governo darão fôlego às empresas durante a quarentena (OUÇA!)

Com o objetivo de reduzir o impacto financeiro causado pela quarentena da Covid19, o Governo Federal tem adotado diversas medidas na esfera tributária, principalmente...

O mundo precisa de pessoas juntas – Mensagem da Equipotel 2020 (Veja o vídeo)

O mundo precisa de pessoas juntas. Mas juntas de um jeito novo. Por hoje, pedimos que vivencie uma excelente hospitalidade em sua casa, para o seu...

LATAM já operou 115 voos especiais transportando mais de 16 mil passageiros

Grupo já operou 115 voos especiais, transportando não só seus passageiros, mas também clientes de outras companhias EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências O Grupo LATAM Airlines...

FESTURIS e a recuperação do turismo no final do segundo semestre

Marta Rossi e Eduardo Zorzanello CEO’s da Rossi & Zorzanello Feiras e EmpreendimentosVivemos uma crise desafiadora e incomparável. Estamos em estado de guerra pela vida...

Airbnb pagará US$ 250 milhões a ‘anfitriões’ para ajudar a cobrir custos de cancelamentos por COVID-19

O CEO do Airbnb, Brian Chesky, anunciou a criação de um fundo de US$ 250 milhões para ajudar os anfitriões a cobrir o custo dos...

Prefeitos do ABC compram 1 milhão de testes de covid-19

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC, que reúne prefeitos da região, anunciou a compra de 1 milhão de kits para testes de covid-19. A remessa...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias