Sete alterações na Nova Lei de Falências

Por Marcelo Vianna*

Em vigor desde 24.01.2021, a Nova Lei de Falências (Lei 14.112, de 24.12.2020) busca dar maior agilidade e segurança jurídica aos processos de falência e de recuperação judicial, alterando não só a própria Lei 11.101/2005 (Lei de Falências) como também a Lei 10.522/2002 (que regula o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades federais) e a Lei 8.929/1994 (que dispõe sobre a cédula de produto rural).

A seguir, sete importantes alterações promovidas pela nova Lei:

  1. Criação de uma fase pré-processual para que a empresa possa negociar com credores antes do início do processo de recuperação, reforçando os mecanismos de conciliação e mediação;
  2. Possibilidade de prorrogação do período de suspensão das ações contra a empresa em recuperação judicial (pela nova lei, o período antigo de 180 dias poderá ser prorrogado por 2 vezes, senda primeira prorrogação com autorização do juiz e a segunda pelos credores);
  3. Possibilidade de os credores apresentarem o plano alternativo de recuperação judicial (na hipótese do o plano da empresa devedora ter sido rejeitado);
  4. Possibilidade de o juiz, depois de ouvido o comitê de credores, autorizar a celebração de contratos de financiamento com o devedor ao longo do trâmite da recuperação judicial para financiamento de suas atividades e despesas de reestruturação ou de preservação do valor de ativos;
  5. Criação do capítulo sobre a insolvência transnacional, que confere a credores não sediados no Brasil os mesmos direitos concedidos aos credores nacionais, incorporando dentre outras novidades a cooperação entre juízes e outras autoridades competentes nacionais com as de outros países;
  6. Possibilidade de o produtor rural pessoa física requerer recuperação judicial (desde que o valor da causa não exceda a R$ 4,8 milhões e que exerça a atividade rural por no mínimo dois anos); e
  7. Aumento do prazo de sete para 10 anos para parcelamento dos débitos com a União por empresas em recuperação judicial.

Ainda que passível de críticas e eventuais ajustes, a nova Lei inegavelmente trouxe melhorias que poderão evitar a quebra desnecessária de empresas, beneficiando a atividade empresarial como um todo e, por consequência, a recuperação econômica tão esperado pela sociedade brasileira no período pós pandemia.


* Marcelo Vianna é advogado empresarial, sócio do escritório Vianna, Burke e Oliveira Franco Advogados (www.veof.com.br). Para maiores informações a respeito do texto acima, está disponível pelo e-mail marcelo@veof.com.br

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Marcelo Soares Vianna
Marcelo Soares Vianna
*Marcelo é mestre em Direito Civil e Processual Civil pela Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) e Mestre (LL.M) em Law & Business pela Vanderbilt University Law School, Nashville, TN, USA. Advogado atuante no setor do turismo, sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br). É articulista e colaborador do DT desde agosto de 2015.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    CNC: volume de receitas do turismo brasileiro encolheu 36,6% em 2020

    Entretanto, segundo a CNC,, a expectativa da vacinação traz a projeção de um avanço de 18,8% Com as medidas restritivas impostas nos estados brasileiros, em...

    Porto de Galinhas lança campanha de incentivo para agentes de viagens

    Nesta quinta-feira (22), Porto de Galinhas lançará uma campanha de incentivo voltada para os agentes de viagens com intuito de ajudar os profissionais do...

    Viação Executiva é alternativa para viagens privadas

    Em momentos de pandemia, poder contar com aeronaves privadas é um privilégio, especialmente se essa possibilidade vem acompanhada de uma oferta de serviço que...

    Hotéis de Floripa personalizam roteiros com foco no turismo de natureza

    Com as mudanças de hábitos e comportamento dos turistas por causa da Covid 19, os destinos turísticos precisaram se adaptar às novas tendências e...

    United Airlines tem prejuízo de US$ 1,357 bi no 1º trimestre

    A United Airlines registrou prejuízo líquido de US$ 1,357 bilhão no primeiro trimestre de 2021, em resultado melhor do que o divulgado no mesmo...

    American Airlines suspende voos para a América do Sul

    A American Airlines anunciou na segunda-feira que reduzirá voos para alguns destinos na América do Sul porque a pandemia Covid-19 diminuiu a demanda. EDIÇÃO DO...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing
    Olá.
    Esse é um canal exclusivo para Pautas e Marketing.