Turismo inclusivo: Países se qualificam como destinos LGBTQIA+

Representando 10% do fluxo de turistas, a comunidade LGBTQIA+ mostra que o turismo inclusivo tem potencial para impactar a economia de diferentes cidades do mundo.


Viajar e conhecer novos lugares é uma das atividades preferidas de milhares de pessoas, inclusive aquelas que fazem parte da comunidade LGBTQIA+. Pensando no bem-estar desse público, criou-se o conceito de turismo inclusivo e já existem vários países que se qualificam como destinos LGBTQIA+.

Mas o que seria um destino LGBTQIA+? De forma resumida, trata-se de uma cidade, estado ou país que tem uma população capaz de lidar com a diversidade do ser-humano, seja em suas escolhas de relacionamento ou em sua identidade de gênero.

Um destino apto para receber essa comunidade não oferece riscos físicos ou psicológicos para as pessoas, transformando a viagem em uma experiência agradável. E esse é um tema que deve ganhar cada vez mais espaço.

LGBTQIA+ e o turismo inclusivo

A proposta de turismo inclusivo vêm sendo debatida nas principais cidades do mundo há algum tempo. Isso porque os números mostram que a comunidade LGBTQIA+ representa uma fatia consideravel do segmento.

Segundo dados das OMT (Organização Mundial de Turismo), o público LGBTQIA+ é responsável por 10% do fluxo de viajantes de todo o mundo, representando ainda 15% das despesas total dos usuários do setor. Em outras palavras, é um público que gasta mais do que representa.

Sendo o turismo um dos pilares de economias de várias cidades do mundo, adaptar e incentivar a aceitação às diferenças entre os moradores é fundamental para um turismo inclusivo.

Ações que vão além do turismo

A tendência à valorização da diversidade não é exclusiva no setor de turismo. Cada vez mais empresas estão interessadas em se adaptar aos novos tempos, em que o respeito às diferenças é palavra de ordem.

Um bom exemplo é a plataforma de idiomas Babbel, que estabeleceu diretrizes claras para garantir uma linguagem inclusiva em todos os seus cursos de línguas.

Significa que os produtores dos conteúdos do aplicativo da Babbel, que são especialistas em línguas, levam em consideração o conceito de diversidade ao desenvolver seus conteúdos. Dessa forma, garantem que todos os tipos de raças, gêneros e preferências são representados nas lições.

De acordo com Lars, um dos editores na equipe de Didáticos da Babbel, tudo é inserido de forma natural. Assim, ao invés de contar com lições específicas sobre LGBTQIA+, o conteúdo da Babbel integra diferentes pessoas e identidades em aulas variadas.

Ações como essa da Babbel, que vão além do turismo e são feitas de forma sútil, são capazes de apresentar à diferentes tipos de pessoas as realidades que encontramos no mundo. E nada melhor que o conhecimento para quebrar o preconceito.

Brasil x turismo LGBTQIA+

Apesar de existirem no Brasil cidades que são reconhecidas pela receptividade ao público LGBTQIA+, como é o caso de Florianópolis e Recife, ainda há um amplo trabalho a ser feito para aumentar a inclusão.

Em 2019, o guia online de turismo para LGBTs GayCities colocou o Brasil como um destino para se evitar, especialmente pela violência contra as pessoas LGBTQIA+. Isso representa uma enorme perda em investimentos no turismo nacional.

Ainda assim, as belezas naturais do Brasil mantêm o país na rota dos turistas. Ao assumir uma postura de inclusão, as cidades tendem a ganhar ainda mais espaço entre os principais destinos do mundo, impactando diretamente na economia regional.

5 países gay-friendly para visitar

Uma das formas de denominar um país apto para receber a população LGBTQIA+ é “gay-friendly”. Se você tem interesse em conhecer um lugar que tem como proposta a igualdade e a inclusão, independentemente de sua identidade de gênero, pode considerar os 5 países listados abaixo.

Imagem: Freepik

  1. Cidade do Cabo: Capital da África do Sul, conta com uma série de ações em prol da comunidade LGBTQIA+. Além de ter legalizado o casamento homoafetivo em 2006 (5 anos antes do Brasil), possui um bairro totalmente habitado por pessoas do grupo, que atrai milhares de turistas anualmente.
  2. Londres: Com um pensamento bastante progressista por parte da população, Londres é um ótimo destino gay-friendly. Repleta de atrativos turísticos, opções não faltam para conhecer na Terra da Rainha.
  3. Bangkok: Sempre presente nas listas de melhores destinos gay-friendly, Bangkok apresenta praias belíssimas, com uma vida noturna intensa. É considerada como uma cidade muito receptiva com o público trans.
  4. Amsterdam: Com o tradicional charme europeu, Amsterdam tem fama de ser uma cidade “liberal”. De fato, quando se trata do público LGBTQIA+, é um destino seguro, cheio de opções com respeito a diversidade.
  5. Madri: Na Espanha, Madri é uma das melhores opções para a comunidade LGBTQIA+. Além da ótima gastronomia, existem bares direcionados para o público e um pensamento da população que aceita as diferenças.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial