Vinícola Cristófoli:  na rota das cantinas históricas de Bento Gonçalves

 por Wanderley Mattos Jr* (Texto e Fotos)

A grandiosidade dos Vinícola Cristófoli está em sua singeleza e acolhimento. A pequena vinícola tem como anfitriã uma de suas herdeiras, a enóloga Bruna Cristófoli. Ela nos recebe e tem imensa alegria em compartilhar com seus convidados e contagiando-os com seu amor e entusiasmo pela arte de produzir a experiência do vinho. Reunimo-nos à sombra das árvores logo à entrada da vinícola que margeia a pequena estrada em declive. De lá, ela nos saúda e nos dá as primeiras informações de como seria nossa experiência enogastronômica na Cristófoli. Logo à esquerda, estão os toneis onde o vinho é produzido. Lá dentro, Bruna nos explica como o processo funciona, fala do vinho doce do início da vindima e conta histórias de sua família e das famílias de outros vinicultores cujos nomes soam famosos e ao mesmo tempo, parecem velhos conhecidos. Afinal, estamos na Rota das Cantinas Históricas!

A pequena vinícola tem como anfitriã uma de suas herdeiras, a enóloga Bruna Cristófoli
A pequena vinícola tem como anfitriã uma de suas herdeiras, a enóloga Bruna Cristófoli

Lignificação

Logo à saída dos local onde o vinho é produzido está o parreiral que se estende pelo terreno da vinícola. Caminhando mais um pouco, chegamos a outra construção de pedras e ao entrarmos, três simpáticas senhoras agitam-se de um lado para o outro na cozinha. São nossas anfitriãs. Dentre elas, a mãe de Bruna, coordenando o almoço que em breve nos será servido acompanhado de degustação de vinhos que se harmonizam com os pratos que vão sendo preparados. Bruna nos explica das dificuldades da vindima no ano passado (2016) devido às muitas chuvas na floração, um inverno quente, geadas que queimaram parreiras, chuva de granizo, alguns vinicultores que não conseguiram colher e o aumento de preços em consequência disso tudo. Ela também nos explica que o Moscato é o vinho que se adapta à serra gaúcha e, enquanto nos convida a exercitar os sentidos para descobrir do que é feito o molho que exalta ainda mais o gosto da salada de folhas, ensina-nos uma palavra nova: lignificação, que é quando a gavinha (aquela parte da parreira que se enrola nos arames por onde se prende para espalhar-se) torna-se dura como lenha. Isso é quando a gavinha lignifica!

Hora de voltar

Em meio a pratos deliciosos, um molho para salada feito à base de banana prata, massas e carnes e um delicioso sagu ao vinho, somos brindados pelos excelentes vinhos da Vinícola Cristofani e pela contagiante simpatia da Bruna, da qual nos despedimos como quem sai da casa de parentes que há muito não encontrava, não vendo a hora de voltar.

Confira o álbum (clique na foto para ampliá-las!)

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial