As “quatro grandes” companhias aéreas dos EUA podem cair para três

NOVA YORK (Reuters Breakingviews) – As companhias aéreas dos EUA precisam de mais do que uma pequena ajuda. As “Quatro Grandes” – Delta Air Lines, American Airlines, United Airlines e Southwest Airlines – têm implorado por resgates adicionais à medida que a Covid-19 continua prejudicando as viagens. Mais dinheiro barato é uma opção. Mas a consolidação também ajudaria e provavelmente deixaria os contribuintes – senão os consumidores – em melhor situação. Em 2021, as grandes operadoras diminuirão de quatro para três.

As fusões de companhias aéreas não são fáceis. Forças de trabalho sindicalizadas que classificam os pilotos com base na antiguidade, por exemplo, dificultam a união de empresas. E os reguladores da concorrência não gostam quando muito poder acaba nas mãos de poucos participantes, embora as autoridades antitruste dos EUA tenham permitido que alguns setores, como operadoras de telefonia móvel, se concentrassem em apenas três participantes.

Consolidação faz sentido

Mas a consolidação faz sentido financeiro. A maioria dos outros países tem uma única transportadora de bandeira implícita ou explicitamente apoiada pelo estado. A América não, mas os resgates pandêmicos tornaram os Quatro Grandes quase propriedade do governo, dando ao público uma participação em seu futuro. E a fusão não funcionou muito mal para os consumidores até agora. Os preços dos ingressos ajustados pela inflação caíram pela metade desde 1995, quando os céus da América foram inundados com transportadoras, de acordo com o Bureau of Transportation Statistics.

A American, que acumulou US $ 13,5 bilhões em dinheiro do contribuinte, está na pior posição. A operadora com sede no Texas tem US $ 25 bilhões de dívida líquida, cerca de 6 vezes o EBITDA previsto para 2022, de acordo com estimativas da Refinitiv que pressupõem três quartos do retorno das vendas em dois anos. O United é o próximo, mas com níveis de dívida apenas metade tão assustadores.

Ainda assim, 2022 está muito longe. Se a receita se recupera apenas 70% enquanto os custos permanecem estáveis, o EBITDA da American cai para apenas US $ 335 milhões – o que não é uma suposição maluca, dado o impacto esperado de longo prazo nas viagens corporativas e na alavancagem operacional descomunal das companhias aéreas. Isso prejudica o pagamento de juros.

– Esta é uma previsão do Breakingviews para 2021. Para ver mais de nossas previsões (em inglês), clique aqui

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redação
Redaçãohttps://diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    Empresa de Silvio Santos paga IPTU atrasado de hotel após cobrança da prefeitura

    O empresário e apresentador de TV Silvio Santos, ao tomar conhecimento do assunto relacionado ao IPTU do Hotel Jequitimar/Guarujá, determinou que fosse realizado, de...

    Presidente do Visit Iguassu é contra medidas restritivas em Foz do Iguaçu

    O presidente do Visit Iguassu, Felipe Gonzalez, é contra as medidas restritivas impostas pelo governo do Estado do Paraná para conter a onda de...

    Duas dezenas de elefantes são afastados dos passeios de Forte Amer, na Índia

    Depois de anos de campanha, a Proteção Animal Mundial comemora o afastamento de elefantes que serviam para transportar turistas até o forte Amer, na...

    Transamerica São Paulo retoma feijoada aos sábados com rígidos protocolos

    Uma das tradições gastronômicas do Hotel Transamerica São Paulo é a feijoada realizada aos sábados. Preparada pelo chef Danilo Brasil, a tradição será retomada...

    Edgony Bezerra: ‘Mulheres que escrevem o turismo do Brasil’

    Conheci Edgony Bezerra em uma coletiva de imprensa, no Riocentro, em uma feira da Associação Brasileira das Agências de Viagens - ABAV-, no Rio...

    Accor aposta em Barretos e anuncia o 1º ibis Styles na cidade

    A Accor acaba de adicionar mais um hotel ao seu portfólio com a assinatura do ibis Styles Barretos, uma parceria com a Construtora Souza...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Open chat