Resignado, espero #2 – Crônica de Osvaldo Alvarenga*

“Eis o homem: jogando nos sapatos a culpa dos pés.”

Samuel Beckett 

Fadiga Pandémica é um tipo de cansaço que, segundo especialistas, ajuda a compreender a mudança generalizada de atitude em relação às medidas definidas pelos governos para conter o contágio do Novo Coronavírus. “É o esgotamento emocional produzido pelas tensões e preocupações acumuladas nos últimos meses como resultado da frustração com as restrições e medidas impostas pelos governos, o medo de adoecer ou infectar outras pessoas, a ameaça de uma situação econômica instável ou o medo de perder o emprego”, explicou Katrine Habersaat, especialista da OMS para a Europa. A expressão entrou na ordem do dia depois que a organização divulgou pesquisa segundo a qual o apoio social para medidas como lockdown, quarentena e isolamento social caiu substancialmente na Ásia, na Europa e na América do Norte.

Eu estou fatigado. Cansado desse assunto e ainda assim pouco mais resta-me a dizer. Escrevo sobre o que vejo e sinto. O que vejo e sinto hoje é a reprise do que vi e senti ao longo da primavera, nos dias fechado em casa, absorvendo todo tipo de informação sobre a nova virose. Mais do mesmo. Volto aos dias em casa, por “dever cívico”. E também porque não há tanto o que fazer fora. Com o outono, as chuvas, as caminhadas são menos frequentes, suspensas as esplanadas, os espaços fechados não me atraem. O uso obrigatório de máscara, agora também nas ruas, o que aprovo, diminui o prazer de sair. Não sei como é para você, sou um daqueles que adaptam-se mal à máscara. Incomoda-me imenso o bafo quente, o ar com pouco oxigênio e a boca sempre seca. Podendo, fico em casa.

Sinto-me menos rijo agora. Passou, ou diminuiu muito, aquela resiliência dos primeiros meses. Tem mesmo a ver com essa tal fadiga pandêmica. Toda a primavera preso, depois, o verão, ainda com cuidado, com alguma segurança para sair e, até, viajar pelo país, a frustração de voltar ao confinamento é grande. Acho que eu, e metade do mundo, mesmo sabendo que seriam muitos meses, mais de ano, em confinamentos vários, alternando liberdades e restrições, conforme calhasse ao vírus, agora, novamente enclausurado, sinto-me desanimado. Meço pelas fases da lua o tempo. Há mais de uma que voltei para casa. Longos dias de tédio. Hoje, a noite é de lua cheia.

Como os personagens de Beckett, abatido e ansioso, espero a salvação. Entre cético e confiante aguardo a cura que não sei quando ou se vem

Ontem foi dia de compras. Razão para sair. Escola e comércio abertos. Ruas cheias. Ônibus lotados. O corre-corre de sempre; quase normal. Todos mascarados. Imagem destes tempos. Há pessoas que seguem suas vidas, têm que seguir. Já eu, à toa, espero Godot. Tão clichê pensar nessa peça agora… Como os personagens de Beckett, abatido e ansioso, espero a salvação. Entre cético e confiante aguardo a cura que não sei quando ou se vem. Faço drama. Por terapia: falar abertamente sobre os sentimentos, angústias, medos e receios, reais ou imaginários, é excelente recurso para diminuir o estresse. Exercito, hoje, com você.

Há outro fator, secundário na peça, que, segundo os psiquiatras, pode ajudar ou piorar muito a saúde mental de quem tem a vida em suspenso: companhia. Cumplicidade ou aversão àqueles com quem passamos os dias. Aos que passam sós, vai depender do quanto são mais ou menos indulgentes com eles mesmos. Não tenho problemas assim. Gozo de privilégios: os dias são meus e tenho, de todas, a melhor companhia.

Mais um dia que vai
Mais um qu’eu fico à espera
Sem dever e sem rua.


 

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Osvaldo Alvarenga
Osvaldo Alvarenga
*Osvaldo reside em Lisboa e escreve para os blogs: Flerte, sobre lugares e pessoas e Se conselho fosse bom…, sobre vida corporativa e carreira. Atuou por 25 anos no mercado de informações para marketing e risco de crédito, tendo sido presidente, diretor comercial e diretor de operações da Equifax do Brasil. Foi empresário, sócio das empresas mapaBRASIL, Braspop Corretora e Motirô e co-realizador do DMC Latam – Data Management Conference. Foi diretor da DAMA do Brasil e do Instituto Brasileiro de Database Marketing – IDBM e conselheiro da Associação Brasileira de Marketing Direto – ABEMD, dos Doutores da Alegria e, na Fecomercio SP, membro do Conselho de Criatividade e Inovação.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    França impõe quarentena de dez dias a viajantes do Brasil

    A França obrigará viajantes do Brasil, Argentina, Chile e África do Sul a ficarem isolados por dez dias, por medo da expansão de variantes...

    Hotel Cinco Estrelas e Pet Friedly, pertinho de São Paulo

    Com muito conforto, sofisticação e uma gastronomia espetacular, o Hotel Villa Rossa é pet friendly, e recebe cães de todos os tamanhos. por Sharlene Irente Localizado...

    WTTC World Summit em Cancun deve impulsionar recuperação do Turismo

    O encontro do WTTC será realizado de 25 a 27 de abril com a participação de 600 delegados presenciais e mais de 30 mil...

    Tivoli Hotels & Resorts completa 88 anos e lança ofertas para marcar data

    A Tivoli Hotels & Resorts comemora 88 anos neste ano de 2021. Parte do Grupo Hoteleiro Minor Hotels, a rede opera atualmente 13 propriedades...

    Projeto Emoções com Roberto Carlos remarcado para junho de 2022

    A festa dos 80 anos do Rei Roberto que seria comemorada em junho deste ano no âmbito do Projeto Emoções, no Iberostar Praia do...

    O mercado de viagens e turismo em 2022: uma grande incógnita

    Quem leu o título pode pensar que foi um erro de digitação, mas não é. A atual temporada está apenas começando, mas é claro que...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing
    Olá.
    Esse é um canal exclusivo para Pautas e Marketing.