Restaurante de hotel é sempre uma droga?

Iniciativas demonstram que restaurante de hotel
pode ter sucesso de público e ainda dar lucro

Fábio Steinberg* –

Houve um tempo que comer em restaurante de hotel que não fosse de luxo era o oposto de prazer. O local servia no máximo para saciar a fome de hóspedes cansados de viagem, apressados, ou sem interesse em buscar melhores opções gastronômicas externas.

Nada mais deprimente que comer em restaurante vazio onde clientes, atendentes e até moscas somem de vista
Nada mais deprimente que comer em restaurante vazio onde clientes, atendentes e até moscas somem de vista

Mesas vazias. Garçons ociosos, não raro ausentes. Comida sem graça. Poucos e desinteressantes frequentadores. Música de elevador, quando alguma. Ambiente chato e deprimente. Este era, com raras exceções, o cenário desolador, capaz de aniquilar o apetite do mais esfomeado dos glutões.

Cenário deprimente

Este cenário, que ocorre na maioria dos hotéis, é bem diferente de outros mais sofisticados, no Brasil e exterior. Eles souberam dar vida própria e independência a seus restaurantes, e com isto transformá-los em ícones da gastronomia.

Restaurante do hotel Le Meurice, em Paris, com seu estilo clássico, é um dos 50 melhores do mundo
Restaurante do hotel Le Meurice, em Paris, com seu estilo clássico, é um dos 50 melhores do mundo

Mas na maioria absoluta dos hotéis, tanto midscale como econômicos, não é assim.
De quem é a culpa desta inapetência crônica em investir em restaurantes de hotel?

Gestores apressados costumam justificar a decisão pela baixa frequência, quase sempre restrita aos hóspedes. Isto levaria a uma fórmula tóxica de custos altos com receitas baixas. Operação de prejuízo garantido, seria um mal necessário, mas indispensável para garantir uma alternativa de alimentação aos clientes.

Felizmente, a realidade começa a demonstrar o contrário. Sim, é possível ganhar dinheiro com alimentos e bebidas em hotéis. Um exemplo é o que ocorre na rede Accor. Basta dizer que hoje cerca de 30% das receitas mundiais provêm dos 10 mil restaurantes em seus 4200 hotéis no mundo.

Hora de reverter expectativas

Para reverter as expectativas pessimistas, é preciso quebrar uma série de regras até recentemente predominantes. Quem explica é Philippe Trapp, diretor da Accor e responsável pela implantação desta revolução de conceitos na rede, no Brasil e América do Sul.

O Gourmet Bar, com estilo contemporâneo, busca identidade com o hóspede executivo do Novotel
O Gourmet Bar, com estilo contemporâneo, busca identidade com o hóspede executivo do Novotel

A meta é ambiciosa: assegurar que 70% dos frequentadores dos 250 restaurantes da Accor venham de fora, e apenas 30% sejam hóspedes. Para isto, há uma primeira medida, que soa como óbvia: todos precisam de acesso independente, sem precisar de atravessar a recepção.

No passado, diante do reduzido interesse em atrair clientes externos, isto não ocorria. Pelo contrário: os passantes sentiam-se desestimulados a frequentar restaurantes de hotéis, principalmente os instalados em áreas superiores ou que não tinham portas abertas para o lado externo do prédio.

 

Restaurante-QCeviche-SP-300x200
O QCeviche, em São Paulo, é um restaurante que acompanha o estilo informal típico dos milleniails

Junto com o novo modelo estão surgindo marcas próprias de restaurantes da Accor.
Elas procuram se combinar com as diferentes categorias de públicos. Como o QCeviche, que capta a mesma irreverência do Ibis Styles. Ou o Gourmet Bar, voltado ao público executivo ou mais formal do Novotel.

Segundo Pratt, o perigo é resvalar no erro das cadeias hoteleiras de engessar fórmulas, cardápios e operações. Isto sufoca a criatividade, a inovação e a personalização. Elas devem ser preservadas e exclusivas para cada local: “Precisamos vender mais experiências, e menos padronização”.

Liberdade criativa

Para o executivo, a falta de flexibilidade não só aniquila a personalidade do local, como é responsável pela saída dos melhores chefs. Eles se cansam diante de tantas regras pré-estabelecidas. Na nova concepção, o cozinheiro tem a iniciativa e garantia de liberdade para fazer aquilo que melhor sabe.

Claro que há fatores que jamais podem ser abandonados. Como qualidade dos produtos e serviços, variedade dos pratos, conforto, segurança, ambientação, limpeza e higiene. Isto sem falar em maior flexibilidade nos horários de atendimento, algo que só hotéis permitem oferecer.

Na nova visão, restaurante não só um lugar para comer, mas também para convivência social
Para o sucesso da fórmula dos restaurantes com vida própria, Pratt destaca a importância de sempre ouvir o cliente, através de pesquisas. E algo muito importante: jamais perder de vista tendências de mercado. Ele dá um exemplo que ajuda a explicar o interesse da Accor em restaurantes auto rentáveis:  “Com aplicativos como o UberEATS, quem melhor capacitado que os hotéis para suprir a qualquer hora este potencial de delivery? ”.

*Fábio Steinberg é jornalista e fundador do portal Viagens & Negócios
Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Grupo Iberostar inicia reabertura de hotéis e reforça segurança sanitária

De forma escalonada, a reabertura de uma seleção de hotéis do Grupo Iberostar acontece a partir da segunda quinzena de junho garantindo protocolos de...

Portugal recebe o Selo ‘Safe Travels’ do World Travel & Tourism Council

Este selo visa reconhecer destinos que cumprem protocolos de saúde e higiene alinhados com os Protocolos de Viagens Seguras emanados pelo WTTC, ajudando, sobretudo,...

Três perguntas para Sanfo Boubakar, diretor da ClassTraining, sobre treinamento na retomada

Engenheiro químico com mais de 23 anos de experiência profissional e acadêmica, Sanfo Boubakar é marfinense naturalizado brasileiro. REDAÇÃO DO DIÁRIO Há quase 35 anos no...

Bolsa qualificação beneficia turismo de Foz do Iguaçu e preserva 4,5 mil empregos

Foz do Iguaçu vem adotando diversas medidas para preservar empregos e amenizar o impacto social provocado pela pandemia no novo coronavírus (Covid-19). Uma delas...

Os  Embaixadores do Rio e a retomada do turismo fluminense

Bayard Do Coutto Boiteux*O Rio  de Janeiro com a pandemia causada pelo Covid-19 passa o pior momento de sua história turística nas últimas décadas....

Prefeito de São Sebastião oficializa Área de Proteção Ambiental Baleia Sahy

Nesta sexta-feira (5), o prefeito do município de São Sebastião, Felipe Augusto, assinou o decreto que regulamenta o Plano de Manejo da Área de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias