OMT apresenta o impacto da pandemia do COVID 19 em ilhas potencialmente turísticas

A pandemia do COVID-19 e as medidas adotadas para conter sua difusão estão afetando pesadamente o setor de turismo.

Agências com edição do DIÁRIO

De acordo com a Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas (OMT), a pandemia do COVID-19 resultará em uma contração do setor de turismo de 20% a 30% em 2020.

É provável que essa estimativa seja conservadora para países que dependem de turistas estrangeiros, pois os dados recentes sobre o tráfego aéreo diário indicam uma queda de quase 80% desde janeiro de 2020.

Enquanto muitos setores econômicos devem se recuperar quando medidas restritivas forem levantadas, a pandemia provavelmente terá um efeito mais duradouro no turismo internacional.

Isso se deve principalmente à redução da confiança do consumidor e à probabilidade de restrições mais longas ao movimento internacional de pessoas.

De acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), em epidemias virais anteriores, o tempo médio de recuperação dos visitantes de um destino era de cerca de 19 meses.

Países altamente vulneráveis

A crise súbita, profunda e provavelmente prolongada no setor de viagens e turismo deixou os países que dependem do turismo estrangeiro muito preocupados com suas finanças.

Entre eles, os pequenos Estados insulares em desenvolvimento (SIDS) são os mais vulneráveis ​​não apenas por serem altamente dependentes do turismo, mas também porque qualquer choque de tal magnitude é difícil de administrar para as pequenas economias.

Em média, o setor de turismo responde por quase 30% do produto interno bruto (PIB) do SIDS, segundo dados do WTTC. Essa participação é superior a 50% para as Maldivas, Seychelles, São Cristóvão e Nevis e Granada.

No geral, viagens e turismo no SIDS geram aproximadamente US $ 30 bilhões por ano. Um declínio nas receitas do turismo em 25% resultará em uma queda de US $ 7,4 bilhões ou 7,3% no PIB. A queda pode ser significativamente maior em alguns dos PEID, chegando a 16% nas Maldivas e Seychelles.

Espera-se que, para muitos SIDS, a pandemia do COVID-19 resulte diretamente em valores recordes de perdas de receita sem as fontes alternativas de receita cambial necessárias para atender à dívida externa e pagar pelas importações.

Consequências econômicas devastadoras

Em geral, os países podem enfrentar tempestades econômicas recorrendo a dívidas adicionais ou utilizando reservas estrangeiras disponíveis.

No entanto, o acesso aos mercados de capitais globais é cada vez mais restrito, principalmente para países pequenos como o SIDS, que costumam ser altamente endividados e pouco diversificados.

A dívida externa do SIDS como grupo responde por 72,4% do seu PIB em média, chegando a 200% nas Seychelles e nas Bahamas.

As reservas estrangeiras também são geralmente baixas, com muitos dos PEID possuindo apenas as reservas suficientes para alguns meses de importações. Dadas essas estatísticas, é evidente que, sem assistência internacional, as conseqüências econômicas da pandemia serão devastadoras para muitos dos PEID.

Necessidades financeiras imediatas

Considerando o impacto econômico da redução da receita do turismo (assumindo um declínio de 25% nas receitas do turismo) e restaurando o nível mínimo de cobertura das importações (três meses), é possível fornecer uma estimativa aproximada das necessidades financeiras imediatas de cada país para compensar os danos da pandemia.

Atualmente, o SIDS precisaria de cerca de US $ 5,5 bilhões para combater os efeitos adversos da pandemia em suas economias.

As Maldivas se destacam com uma necessidade de US $ 1,2 bilhão devido à sua dependência das receitas do turismo, seguidas pelas Bahamas e Jamaica.

Muitos SIDS, como Jamaica e Bahamas, também enfrentam altos encargos da dívida externa, que exigem programas complementares de suspensão ou alívio da dívida externa.   

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

U.S. Travel anuncia IPW 2021 de 18 a 22 de setembro em Las Vegas

WASHINGTON, 30 de setembro de 2020 - A U.S. Travel Association anunciou nesta quarta-feira (30) que a IPW, sua feira internacional anual de viagens...

Voos para Congonhas e Confins retornam em outubro no aeroporto de Florianópolis

A malha aérea prevista para outubro, no Aeroporto Internacional de Florianópolis, contará com o retorno de dois destinos importantes: o aeroporto de Congonhas, em...

Veja o que rolou de mais importante no encontro de líderes do NEB

  Com mediação de Mami Fumioka, da Quickly Travel, o evento híbrido promovido na última terça-feira (29), pelo NEB (Nikkey Empreendedores do Brasil), contou com a...

Lençóis e a Chapada Diamantina reabrem para o turismo

por Reginaldo Marinho -   RM@reginaldomarinho.com.br Foi amor à primeira vista. Vim conhecer Lençóis há três anos e daqui não quis mais sair. Vim por um chamado...

Confirmado: Festival das Cataratas terá feira presencial em dezembro

Festival das Cataratas deste ano foi dividido ao longo do ano, com ações on-line. EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências Seguindo rigorosos protocolos sanitários, os organizadores do...

Brasileiros deportados dos EUA desembarcam no Brasil. Leia opinião de especialista

O 20º voo com deportados brasileiros dos Estados Unidos pousou no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na região metropolitana, na última sexta-feira (25), com 52 pessoas, de acordo...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat