Pós-Lava Jato: 4 passos para a recuperação da imagem de empresas

Para a recuperação de imagem, o caminho da empresa pode envolver outras tantas iniciativas

Por Jefferson Kiyohara* –

Casos de corrupção, de cartel, lavagem de dinheiro, falhas na segurança alimentar, problemas de qualidade, entre outros temas, têm levado empresas a serem alvos de escândalos nos últimos anos e, por consequência, ganharem destaque na mídia de forma negativa. Planos de gestão de crise são acionados, declarações à mídia são feitas e ações de pronta resposta e mitigação de danos são realizadas, sem contar toda tratativa no âmbito legal a ser feita.

Contudo, visando a perenidade do negócio, é preciso ir além de ações mais estruturais. Como medida básica, um bom caminho a trilhar é a estruturação de um Programa Efetivo de Compliance, muitas vezes reforçando um programa já existente. Paralelo a este fortalecimento está o cuidado com a imagem corporativa desgastada, que pode sim ser recuperada, mas é um processo que demanda tempo e recursos, além de ações e atitudes que demonstrem a preocupação com o ocorrido e uma vontade real de fazer diferente e melhor.

Para a recuperação de imagem, o caminho da empresa pode envolver outras tantas iniciativas. Tendo em vista a questão da reputação e do compliance, existem quatro importantes passos que podem servir como orientação para a de credibilidade e, por fim, reconquistar a boa imagem perante os steakeholders.

As dicas das quatro iniciativas a serem tomadas são:

  1. Diagnóstico e remediação – é essencial entender a causa raiz do problema. A organização deve realizar uma apuração profunda, de modo a identificar falhas nos processos e controles e promover as ações corretivas e de melhoria que se façam necessárias. Revisão de processos e normativos, automatização de controles e investimento em inteligência são exemplos de ações. É fundamental o problema não se repetir.
  2. Comprometimento – todos na organização devem se comprometer com a não repetição do problema ocorrido. A nova postura esperada deve ser adotada como um mantra, na prática, tornando-se real através de um conjunto de ações realizadas e finalizadas. Não há espaço para comportamentos dúbios ou que gerem dúvidas. Investimentos devem ser feitos de forma estruturada e significativa
  3. Trazer credibilidade – trazer novos profissionais, ou parceiros de negócio, que emprestem a sua reputação à empresa e implementem uma nova filosofia de trabalho é um caminho utilizado por muitas empresas. Outra opção é buscar um parecer, um selo ou certificação independente e especializado, que seja reconhecido no mercado.
  4. Reconstruir relacionamentos – a nova postura, os compromissos públicos e as ações de melhoria realizadas devem ser divulgadas aos principais stakeholders, incluindo clientes, parceiros, fornecedores, acionistas, sistema financeiro e agências reguladoras. Demonstrar mudança e transparência. Um caminho adotado por muitas empresas é adotar um portal na internet para isto. Deve-se tomar o cuidado de não cometer exageros na promoção e trabalhar com fatos e dados, demonstrando a real evolução e efetividade do Programa de Compliance. Buscar influenciar o mercado com as boas práticas também é importante.

*Jefferson Kiyohara é líder da prática de riscos & compliance da Protiviti, consultoria global especializada em Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Compliance, Gestão da Ética, Prevenção à Fraude e Gestão da Segurança.

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redação
Redaçãohttps://diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    Japão: Mangás, animes e videogames inspiram viagens

    A cultura pop japonesa é uma importante vitrine para o Japão. Os mangás, animes e os videogames japoneses são muito populares e conquistam fãs...

    FecomércioSP realiza debate sobre futuro dos cruzeiros e agências de viagem

    A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) promove nesta terça-feira (18) mais um webinário da série...

    O que define o preço do vinho?

    A pergunta de Cláudio Nepobusceno - O que define o preço do vinho? - para a série Pergunte ao Werner é mais complexa, o...

    Liguia do Rio de Janeiro protesta com auxílio proposto: “Governo deveria ter a decência!”

    Os guias de turismo do Rio de Janeiro, representados pela Liga Independente dos Guias de Turismo – Liguia, fizeram um ato pacífico na frente...

    Búzios Convention lança campanha Marca Visit Búzios

    A campanha dá as caras nas mídias sociais e nos meios de comunicação nacionais nesta segunda-feira (17) com um tempo bem corrido para a...

    Itália reabre para viajantes de lazer que embarcam nos voos da Delta

    Desde 16 de maio, as frequências sem quarentena para as cidades italianas Roma e Milão estão abertas aos clientes com resultado negativo em testes para...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing