Região do Costão do Santinho possui rica concentração de inscrições rupestres

Durante recente visita a Florianópolis o DIÁRIO entrevistou o antropólogo Adnir Ramos que apresentava uma exposição denominada Arqueoastronomia; Adnir tem um grande trabalho de catalogação de gravuras rupestres na região da ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes.

REDAÇÃO DO DIÁRIO


 
Segundo Adnir, seu trabalho consiste na interpretação da arte rupestre em Santa Catarina. “A arte rupestre neste estado da Federação é um sequenciamento do que venho elaborando a quase 30 anos, desde o inicio da minha pesquisa; nesse estudo descobri uma relação com a genética humana e venho então fazendo essa comparação de símbolos atuais da genética com símbolos encontrados nas pedras e também venho fazendo comparação de símbolos existentes aqui com símbolos em várias partes do planeta Terra”, afirma o cientista.
Autor do livro Divino Gênese, uma obra que apresenta as descobertas do pescador antropólogo na Ilha de Santa Catarina; Adnir adianta que há milhares de inscrições rupestres em Santa Catarina e que algumas são inclusive acessíveis para o turismo.
“O costão sul da Praia do Santinho é um dos poucos sítios de gravuras rupestres preparado para receber visitas de turistas, escolas e pessoas de todas as idades. O Costão do Santinho é uma região peculiar pela grande quantidade de gravuras rupestres e pelo detalhamento de cada conjunto de gravura”, afirma ao DIÁRIO.
O estudioso esclareceu que é feita uma interpretação desses desenhos para fazer com que todos percebam o valor histórico da região e almeja que seja conectado com o turismo “para que as pessoas possam valorizar e até mesmo para que seja preservado, pois à medida que há visitantes, aumenta o interesse do estado, que pode fazer a infraestrutura para os locais, até para a segurança das pessoas”, disse.

Mais de 500 inscrições de Porto Belo a Garoapba (Crédito: Adnir Ramos)

Adnir complementou que tem feito exposições de suas pesquisas de campo e também palestras. “Nessas palestras e exposições apresento provas de que existe grandes significados por trás das inscrições. Para se ter uma ideia, só aqui em Santa Catarina, de Porto Belo à Garopaba,  existem mais de 500 desenhos gravados.
Segundo Adnir,  os morros e costões do litoral de SC escondem desenhos rupestres e observatórios astronômicos que podem conter uma mensagem sobre o ciclo da vida e o futuro da sociedade.
Localização

As gravuras rupestres em baixo relevo estão em boa parte do litoral catarinense: Ilha de Porto Belo, Ilha do Arvoredo, Ponta das Canas, Ingleses, Santinho, Ilha das Aranhas, Barra da Lagoa, Galheta, Praia Mole, Joaquina, Campeche, Ilha do Campeche, Armação, Pântano do Sul, Ilha das Irmãs, Ilha do Papagaio, Pinheira, Guarda do Embaú, Garopaba e Ilha dos Corais.

Quanto aos observatórios arqueoastronômicos, o mais significativo fica no morro da Galheta, em Florianópolis. Para chegar até lá pode-se ir pela trilha pública que se inicia no final da Fortaleza da Barra ou pela trilha do Instituto Multidisciplinar de Meio Ambiente e Arqueoastronomia (Imma), no começo da Fortaleza da Barra.

No Imma, além da trilha, há um museu com uma coleção de arte rupestre com a reprodução de quase todos os painéis que existem na Ilha de Santa Catarina, além de artefatos cotidianos como pontas de machado e relógios solares.

Inscrições rupestres guardam mistérios ainda não decifrados (Crédito: Adnir Ramos)

Serviço:

Se marcar com antecedência, é possível combinar uma visita guiada com o antropólogo Adnir Ramos. A entrada custa R$ 10. Mais informações pelos telefones: (48) 99607-2201 e (48) 99621-8298.

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Califórnia retrocede na reabertura com expansão do coronavírus nos EUA

SACRAMENTO, Estados Unidos (Reuters) - O governador da Califórnia decretou nesta segunda-feira um recuo no plano de reabertura da economia do Estado norte-americano, após...

La Casa de Papel: a transferência de liquidez relatada pelo refém brasileiro**

Por Paulo Atzingen* (de Madri) Só depois de passados alguns anos do assalto à Casa da Moeda da Espanha e me tornado refém por aquele...

Dentro de uma capela brasileira feita de vinho

por DANIELLE BAUTER* Com sua paisagem de colinas verdes ondulantes pontilhadas de fazendas familiares, a vista pode facilmente ser confundida com a Toscana. O estado...

A politização da Pandemia – por Gaudêncio Torquato*

Cada coisa em seu lugar. Ou, em outros termos, cada macaco em seu galho. A popular expressão aconselha que cada pessoa deve exercer o...

Fairmont Rio de Janeiro reabre dia 1º de setembro

O Fairmont Rio de Janeiro Copacabana se prepara para receber seus primeiros hóspedes pós-quarentena a partir de 1º de setembro de 2020. EDIÇÃO DO DIÁRIO...

Os riscos do desconfinamento e o Turismo

por Bayard Do Coutto Boiteux* No momento em que escrevo o presente artigo vejo que vários países europeus estão sendo obrigados a retomarem programas de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias