Retomada do enoturismo tem exemplos da Itália e da Argentina para seguirmos

REDAÇÃO DO DIÁRIO

O enólogo Adolfo Lona em sua página do Facebook desta quinta-feira (18) fez uma espécie de manifesto a favor de que se estabeleça no Vale dos Vinhedos (RS) um protocolo sanitário específico para o destino, já que a região da Serra Gaúcha foi classificada na última semana como Zona Vermelha pelo Governo do Rio Grande do Sul. “Esta classificação está afetando demais as pequenas cantinas que vivem desses ingressos”, afirma Adolfo Lona. E continua: “Não podemos deixar paralisada uma atividade tão importante para essas famílias. Elas não são obrigadas a abrir seus estabelecimentos mas poderiam fazê-lo tomando as devidas precauções. A falta de ingressos pode comprometer a permanência destas empresas que são as que agregam valor emocional, afetivo, cultural ao vinho brasileiro”, escreve o enólogo e apresenta uma ação dos vinicultores e enólogos argentinos para enfrentar a pós-pandemia.

O DIÁRIO destaca aqui dois documentos que podem servir de exemplo e inspiração para os governos, entidades e associações olharem com mais precisão a setores frágeis como o da vinicultura. O primeiro é um documento da Itália, o segundo é um exemplo de nossos irmãos argentinos, sugerido por Adoldo Lona. Confira:

Há duas semanas atrás, o Movimento Enoturismo na Itália lançou o protocolo internacional denominado  ” Enoturismo Tranquilo: orientações e boas práticas para um enoturismo da livre do Covid”.

O protocolo, voltado para vinícolas que promovem o enoturismo, é um manifesto de ação elaborado por um grupo de especialistas internacionais em alimentos e vinhos que trabalham para órgãos institucionais, universidades e centros de pesquisa, consórcios e associações de vinícolas para encontrar soluções concretas para a nova realidade de enoturismo aplicável a qualquer vinícola ou destino de enoturismo.

A Itália não só nos legou sua vocação para a vitivinicultura em geral como manteve sua tradição na produção de vinhos e de toda a cadeia que envolve o setor, em especial o enoturismo. Segundo a pesquisa realizada pelo Confturismo-Confcommercio e SWG, após meses de bloqueio, a prioridade das férias será a natureza – atividades ao ar livre.

Típica cantina italiana (Crédito:: arquivo DT)

“Os dados já coletados – disse a professora Roberta Garibaldi – mostram o interesse dos turistas pela recuperação do setor. Atividades externas, e busca do natural foi indicada por 40% dos italianos”, disse a especialista.

Considerando que o principal objetivo será o turismo interno, os dados do Relatório Italiano de Turismo de Gastronomia e Vinhos apontam que os italianos adoram viver experiências de gastronomia e vinhos na Itália (92% de suas viagens de gastronomia e vinhos foram dentro do país), e que 64% dos viajantes gostariam de saber mais sobre a comida e o vinho da área em que vivem .

“Acreditamos que o turismo na adega será a forma mais segura e responsável de turismo – disse Nicola D’Auria, presidente do Movimento Enoturismo.

Esse grupo de trabalho pretende incentivar a colaboração entre os setores de vinho, alimentos e turismo, promovendo a beleza da Itália nos principais mercados-alvo, nacionais e internacionais, e apoiando o desenvolvimento de um produto turístico sustentável.

“Juntos, podemos garantir que a Itália assuma seu papel / lugar legítimo como um dos maiores destinos de comida e vinho do mundo”, afirma Nicola.

O enoturismo na Argentina já tem seu padrão nacional para retornar ao trabalho à medida que a quarentena é superada (Crédito: arquivo DT)

Enoturismo da Argentina

O enoturismo na Argentina já tem seu padrão nacional para retornar ao trabalho à medida que a quarentena é superada. Lá uma série de medidas buscam impedir o contágio e estabelecer as bases para que as vinícolas de todo o país recebam visitantes. Ao contrário de um protocolo sugerido, a regra impõe condições obrigatórias para os operadores e condições de segurança para futuros turistas.

Em uma reunião virtual com cerca de 150 participantes de todo o país, a Argentina Wine Corporation (Coviar) apresentou aos operadores e autoridades nacionais e provinciais o “Regulamento Covid 19 Wine Tourism”.

“Este é o melhor exemplo de trabalho e coordenação público-privado e uma das linhas de ação estratégicas da Coviar. A norma é muito mais que um protocolo e a contribuição das Secretarias e Diretorias de Turismo da Nação e das províncias foi essencial para poder armar e concordar com essa verdadeira ferramenta de trabalho e pensar no retorno dos visitantes às nossas vinícolas ” , disse Pablo Asens, vice-presidente da Coviar.

O padrão desenvolvido é dividido em campos de aplicação. Aqui estão alguns dos pontos principais:

Pessoal afetado à atenção do visitante:

É obrigatório verificar periodicamente a temperatura do pessoal para detectar sintomas compatíveis com o Covid 19. Mais cedo, nunca deve exceder 37,5 graus. E os dispositivos (termômetros) devem ser usados ​​sem contato direto.

Todo o pessoal afetado pelo serviço de assistência turística diretamente (guias, carregadores) ou indiretamente (pessoal administrativo, de cozinha, pessoal de limpeza) deve usar os correspondentes elementos de proteção individual (EPI) em relação ao risco encontrar exposto. E esses itens devem ser apenas para uso pessoal e o empregador deve garantir um estoque permanente.

É essencial e obrigatório que a vinícola realize treinamento para os trabalhadores nos novos procedimentos, no uso e descarte de EPIs e protocolos de higiene pessoal e coletiva com profissionais competentes.

Deve ser redefinida com base na “distância social” necessária, respeitando distâncias mínimas entre 1,5 e 2 metros

Uso de espaços e instalações:

Em espaços como salas de recepção e vendas, salas de degustação e restaurantes, a capacidade de carga das áreas destinadas à atenção do público deve ser redefinida com base na “distância social” necessária, respeitando distâncias mínimas entre 1,5 e 2 metros. Recomenda-se uma densidade máxima de quatro (4) pessoas por 10 metros quadrados de superfície.

Delimite os circuitos visitantes muito bem e indique-os adequadamente para evitar aglomerações o tempo todo.

Visitar vinícolas influencia hábitos de compra de vinho

Intensifique a limpeza e desinfecção de todos os espaços de trabalho comuns e a atenção do público, pelo menos três vezes ao dia. É recomendável realizar limpeza e desinfecção toda vez que você terminar com um serviço ou grupo de visitantes.

Suporte ao cliente

É estabelecido como obrigatório o uso de reservas prévias, tanto pessoalmente quanto através de um intermediário (operador turístico), para auxiliar um estabelecimento de enoturismo, para que ele possa ter horário de visita e atender aos requisitos estabelecidos em termos de higiene pessoal , medidas de segurança e distanciamento social.

O visitante deve preencher e enviar com sua reserva uma declaração com suas informações pessoais e de contato, sua autorização para circular e relatar se teve algum sintoma compatível com o Covid 19 durante as 24 horas antes de sua visita.

Todos os visitantes a entrar devem lavar as mãos no banheiro e desinfetar as solas dos sapatos pisando em uma solução de água com água sanitária. Durante a visita, você deve sempre usar a máscara.

Durante as degustações, o visitante será aconselhado a não remover a tira do queixo ou a máscara facial, mas abaixá-la até o queixo, a fim de evitar manipulação e possível contaminação. E o álcool deve estar sempre disponível para limpar e higienizar as mãos dos turistas.

Sempre mantenha a distância interpessoal necessária, tenha uma quantidade suficiente de copos para minimizar o manuseio e ofereça serviços individuais de água e alimentos, como biscoitos ou queijo (Crédito: DT)

Sempre mantenha a distância interpessoal necessária, tenha uma quantidade suficiente de copos para minimizar o manuseio e ofereça serviços individuais de água e alimentos, como biscoitos ou queijo.

Nunca permita a manipulação de garrafas pelos visitantes e sempre as exiba em vitrines fechadas à venda, facilitando que promoções ou embalagens sejam fechadas diretamente.

Para vinícolas que oferecem serviços gastronômicos e organização de eventos, desde que cumpram as disposições gerais de cada jurisdição, é recomendável seguir os protocolos de segurança da Associação de Hotéis de Turismo da Argentina (AHT) que já foram autorizados pelo Ministério da Agricultura. Saúde da Nação.


*Agradecimentos a Werner Schumacher pelos originais em Italiano e a Adolfo Lona pelo artigo em espanhol.

1 COMENTÁRIO

  1. Olá.
    A região do Vale dos Vinhedos possui uma certificação chamada de “Ambiente Limpo e Seguro”, destinada exclusivamente a empreendimentos turísticos, dentre eles as vinícolas.
    Essa certificação tem um protocolo bastante rígido e amplo, e é realizada pela Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves. Já em atuação desde maio.
    Nesse link você pode saber mais sobre: https://valedosvinhedos.wordpress.com/2020/05/19/pensando-na-seguranca-de-todos-bento-goncalves-cria-selo-para-estabelecimentos-turisticos/

Comentários estão fechados.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial