Comércio deixou de faturar R$ 40,9 bilhões nos últimos 12 meses aponta CNC

Estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que o comércio varejista poderia ter vendido R$ 40,9 bilhões a mais nos últimos 12 meses até abril deste ano, se o corte na taxa básica de juros tivesse sido repassado integralmente para as taxas de juros na ponta cobradas do consumidor.

EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências

Com base na elasticidade entre o custo de crédito ao consumidor e a concessão de recursos, a CNC estimou que, nos últimos 12 meses encerrados em abril, as concessões de crédito teriam crescido nominalmente 18,0% e não 10,3%, conforme revelam os próprios dados da autoridade monetária. A taxa de juros, que em dezembro do ano passado havia atingido o nível mais baixo (29,0% ao ano) desde setembro de 2013 (28,4%), voltou a subir ao longo dos quatro primeiros meses de 2019, alcançando, em abril deste ano, 31,7%, de acordo com levantamento mensal realizado pelo Banco Central.

“Para o consumidor, o não repasse integral da queda dos juros básicos às taxas finais representou um maior peso na parcela mensal dos financiamentos, especialmente diante da relativa estabilidade da massa de rendimentos nos últimos 12 meses, e neste cenário a queda modesta dos juros drenou recursos do setor produtivo para o setor financeiro”, explica Fabio Bentes, economista-chefe da CNC.

Bentes destaca que diversos fatores tais como custos de captação, inadimplência, tributação, despesas administrativas e margem financeira dos bancos ajudam a explicar a evolução dos spreads bancários no Brasil. “Ademais, a baixa concorrência no mercado financeiro do País é um dos principais fatores explicativos da limitada aderência entre os juros básicos e os custos finais de crédito”, complementa.

Setores mais afetados

Os segmentos nos quais o grau de dependência das condições de crédito tende a ser maior foram os mais afetados pela não linearidade no corte da taxa final, tendo o comércio automotivo ocupado o primeiro lugar – a perda estimada, neste segmento, de R$ 23 bilhões correspondeu a 56% da perda total do varejo. Além da relevância desse segmento para o comércio – o segundo maior em faturamento anual –, o crédito cumpre um papel fundamental para a materialização das vendas. Para cada aumento de um ponto percentual na concessão de crédito, o volume de vendas cresce 0,86 ponto percentual. Assim, em vez do avanço atual de 10,3%, o volume de vendas apurado seria maior (14,3%).

Em seguida, destacaram-se os impactos negativos nos ramos de materiais de construção (R$ 5,8 bilhões ou 14% do total), lojas de móveis e eletrodomésticos (R$ 3,4 bilhões ou 8,3% do total) e o segmento de vestuário e calçados (R$ 2,7 bilhões ou 6,6% do total).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

SeaWorld Parks atualiza informações sobre seus parques

O grupo SeaWorld Parks & Entertainment permanecerão fechados temporariamente, informa nota do grupo.DO PLANTÃO DT"Essa decisão faz parte do contínuo comprometimento com a segurança...

Sem ajuda do governo, falência e desemprego irão disparar no turismo, alertam representantes do setor

Linha de crédito flexibilizada e licença remunerada pelo governo são algumas das demandas do setor  Por ZAQUEU RODRIGUES (Jornalista colaborador do DIÁRIO)Uma carta aberta assinada pelas...

Enquanto a próxima viagem não vem, faça álbuns das que você já fez.

Montar álbuns das viagens feitas é uma boa opção para fazer na quarentena REDAÇÃO DO DTQuando viajamos fazemos centenas de fotos que muitas vezes ficam...

Turismo de Natureza depois disso tudo …

Sem dúvida que o momento fez o turismo estremecer e muita coisa vai mudar depois que isso tudo passar. Sou uma otimista incurável, talvez...

GRU Airport começa a medir temperatura de passageiros oriundos de voos internacionais

Iniciativa é mais uma medida em prol do combate e prevenção ao COVID-19 EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências A GRU Aiport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional...

Quando surge uma crise, a embalagem é uma das primeiras a ser convocada!

*Por Fábio Mestriner Crises e catástrofes naturais são frequentes no noticiário. Todos os dias somos bombardeados por notícias de enchentes, terremotos, deslizamentos, vendavais, tornados, incêndios...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias