França vai reabrir lojas, mas bares e restaurantes permanecem fechados

O presidente da França, Emmanuel Macron, delineou ontem uma saída minuciosa do lockdown nacional imposta contra o coronavírus, em meio a uma forte disputa em seu Gabinete sobre a rapidez com que reabrir a economia.

Dow Jones Newswires, de Paris


De um lado estava o premiê e autoridades de saúde, favoráveis a que as medidas de lockdown continuassem em vigor. Do outro estava o ministro da Economia, apoiado pelos varejistas, que veem na temporada de compras de Natal um momento decisivo.

Em discurso pela TV, Macron buscou um equilíbrio entre os dois lados. Disse que a partir de sábado as lojas podem reabrir, mas sob regras estritas de distanciamento social. Se o número de novos casos diários cair para menos de 5.000, o governo suspenderá o lockdown em 15 de dezembro e o substituirá por um toque de recolher a partir das 21h – com exceção dos dias de Natal e Réveillon Já os bares e restaurantes permanecerão fechados pelo menos até 20 de janeiro.

“Precisamos fazer de tudo para evitar uma terceira onda, pare evitar um terceiro lockdown”, disse.

“Às vezes o desânimo toma conta, os debates ficam acalorados”, acrescentou. “Nestes momentos, não devemos nos deixar levar.”

A França, país mais atingido da segunda onda na Europa, tornou-se um barômetro para os governos ocidentais divididos entre a necessidade de salvar vidas e os prejuízos econômicos causados por novas interrupções.

Este dilema afeta países por toda a Europa. Lockdowns rígidos ajudaram a desacelerar a propagação do vírus na Itália, na Espanha e no Reino Unido, mas também tiveram um alto custo econômico. Na Alemanha, onde o governo não foi tão severo, as medidas limitadas impostas no início deste mês não conseguiram reduzir substancialmente os casos de coronavírus.

“A reversão da tendência que esperávamos ver em novembro não se materializou”, escreveram os governos central e regionais da Alemanha, num esboço de conclusões a que o “The Wall Street Journal” teve acesso. Esses governos se reunirão hoje para discutir a possibilidade de endurecer as medidas e estendê-la até 20 de dezembro.

A tensão começou a crescer dentro do governo de Macron já no início do segundo lockdown da França, em 30 de outubro. O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, começou a pressionar para que as lojas tivessem permissão para reabrir. O premiê Jean Castex resistiu.

Um dos fatores que alimentam a tensão é a determinação de evitar a repetição de erros passados. As autoridades econômicas do país querem limitar as medidas draconianas que fizeram do lockdown do começo do ano na França um das mais rígidos, com escolas e lojas não essenciais fechadas e pessoas obrigadas a ficar em casa. Isso levou a economia a encolher quase 14% no segundo trimestre, um recorde pós-Segunda Guerra.

Já as autoridades de saúde querem evitar o erro cometido de relaxar as medidas rápido demais. “De fato, é possível que tenhamos encerrado o lockdown um pouco cedo demais”, disse Castex ao Parlamento na semana passada.

Durante todo esse tempo, Macron vacilou entre os dois campos, às vezes ignorando seus assessores científicos e às vezes dando força ao lockdown. Quando o número de novos casos começou a aumentar de novo, durante o verão, Macron relutou em tomar medidas drásticas que poderiam atrapalhar a recuperação econômica do país.

“Um lockdown é a medida mais tosca para lutar contra um vírus, a coisa mais simplória que fizemos desde a Idade Média”, disse Macron a jornalistas em 28 de agosto.

No início de setembro, o chefe do conselho científico que assessora as autoridades francesas sobre como enfrentar a pandemia, disse estar preocupado com a evolução da epidemia na França. Macron indignou-se com a sugestão de um novo lockdown e disse que o governo tinha como objetivo reduzir o contágio ao mesmo tempo em que continuava a permitir que as pessoas vivessem da maneira mais normal possível, acrescentando que cientistas não fazem políticas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    Um Enoturismo repensado para um Vale dos Vinhedos

    O Enoturismo é um segmento da atividade turística que se baseia na viagem motivada pela apreciação de vinhos, seus sabores e aromas, mas também das tradições e a cultura das...

    CVC Corp anuncia saida de Claiton Armelin e chegada de novos diretores de produto

    A CVC Corp acaba de anunciar que a partir de 1º de fevereiro, a equipe de Sourcing Nacional passa a ser liderada pelos diretores...

    Secretaria de Turismo do Rio lança programa de financiamento para artesãos fluminenses

    A Secretaria de Estado de Turismo (Setur-RJ) e a Agência Estadual de Fomento (AgeRio) lançaram, nesta terça-feira (26), o ArtCred RJ - programa inédito...

    Passaporte italiano: o que muda com a saída do Reino Unido da União Europeia?

    Segundo o advogo italiano Domenico Morra, especialista em dupla cidadania, serão diversas mudanças para quem deseja viajar a turismo, trabalhar ou estudar na comunidade...

    Sheraton São Paulo realiza exame RT-PCR para COVID-19

    O Sheraton São Paulo WTC Hotel acaba de anunciar que firmou um acordo com a empresa Health Control Assistant para a realização dos exames...

    CVC Corp abre 60 vagas para público externo e interno

    A CVC Corp acaba de anunciar 60 vagas de trabalho nas áreas de Tecnologia como, analistas de qualidade de TI, desenvolvedores de sistemas e...

    Relacionadas

    Open chat