Para expulsar banhistas, cidades de SP usam grades, carro de som e até trator

Guardas municipais na areia, grades metálicas de proteção na orla, carros de som nas ruas e até trator são algumas das estratégias que estão sendo adotadas pelas prefeituras de cidades litorâneas de São Paulo pra tentar frear a aglomeração de banhistas.

CNN BRASIL

O feriado da Páscoa acendeu um alerta por todo o litoral paulista. Na última semana, o movimento em estradas paulistas subiu 10%, o que sinaliza um “relaxamento” da quarentena. Até por isso, o governo decidiu colocar mensagens de conscientização em painéis eletrônicos nas estradas, e o próprio governador João Doria (PSDB) fez um apelo para que as pessoas não desçam para o litoral.

A reportagem da CNN conversou com prefeitos e autoridades do governo estadual, que se mostraram receosos do que pode acontecer a partir desta quinta-feira (9), quando os primeiros veranistas devem descer para o litoral.

São Sebastião: trator e guardas

Prefeitura de São Sebastião usa até trator para dispersar banhistasPrefeitura de São Sebastião usa até trator para dispersar banhistas (Foto: Divulgação/Prefeitura de São Sebastião)

Dos três casos de coronavírus confirmados em São Sebastião, no litoral norte, dois são veranistas; não moram na cidade. O município já teve uma morte por COVID-19 registrada.

A cidade está superlotada. Além dos 90 mil habitantes, tem outras 50 mil pessoas instaladas, segundo um levantamento da prefeitura, mesmo com hotéis, pousadas e casas de aluguel fechados por decreto. São turistas ou pessoas que mantém casas de veraneio nas praias mais sofisticadas do litoral do estado, como Juquehy, Baleia, Riviera e Maresias.

“Nos outros casos suspeitos, a gente tem vários funcionários de condomínios de luxo: seguranças, porteiros, jardineiros, o que mostra claramente onde o vírus tem se espalhado”, disse o prefeito Felipe Augusto (PSDB).

Um dos gargalos é que a cidade tinha apenas seis leitos de UTI. Com a chegada do vírus, a prefeitura conseguiu ampliar para 38 leitos, mas ainda avalia que isso é insuficiente.

Por ter mais de 100 km de praia, o prefeito considera inviável fechar a orla com bloqueios e ainda tem enfrentado resistência dos banhistas, que mesmo durante a quarentena seguem indo para a praia. Guardas municipais têm tentado convencer as pessoas a deixarem as áreas de areia, mas a extensão da praia dificulta o trabalho. Até tratores têm sido usados para dispersar os banhistas.

Santos: grades de metal na orla

Coronavírus: prefeitura de Santos fecha calçadão de praias com grades

Coronavírus: prefeitura de Santos fecha calçadão de praias com grades (Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos)

Maior cidade do litoral de São Paulo, Santos tem um agravante na luta contra o coronavírus: um a cada cinco habitantes da cidade tem mais de 60 anos. Depois de ter fechado as praias para o público, o prefeito Paulo Barbosa (PSDB) determinou a instalação de grades de proteção impedindo o acesso ao calçadão no último sábado (4).

“Fiz porque a gente tomou medidas restritivas na faixa de areia que foram compreendidas pela maioria absoluta da população, mas uma minoria continuou usando calçadão pra caminhadas e práticas esportivas. Por isso, ampliamos as restrições. Temos mais responsabilidade porque temos muita gente na faixa de risco”, disse Barbosa.

Guarujá: carros e barreira sanitária

Carro de som no Guarujá alerta para necessidade de evitar aglomerações

No Guarujá, carro de som alerta para necessidade de evitar aglomerações (Foto: Divulgação/Prefeitura do Guarujá)

Nesta quarta-feira (8), um decreto municipal permitiu que a cidade fizesse como Santos, bloqueando o calçadão e a orla das principais praias da cidade, como Astúrias, Tombo e Pitangueiras.

A cidade implantou barreiras sanitárias em sete locais, uma força-tarefa com agentes de trânsito e guardas municipais que, juntos, já barraram 5 mil veículos de pessoas que não têm imóvel no Guarujá, turistas, banhistas e veranistas. A rede hoteleira da cidade e as pousadas estão fechadas por decreto.

Dos 330 mil habitantes da cidade, 90 mil moram em condições precárias e a cidade só tem 40 leitos de UTI. Vinte deles serão exclusivos para coronavírus, e um deles já está ocupado com uma pessoa com suspeita, esperando a contraprova do Instituto Adolfo Lutz, na capital. Há sete casos já confirmados da COVID-19. Pessoas em situação de rua foram encaminhadas para um ginásio. Há 220 vagas e acompanhamento médico no local.

A prefeitura está terminando um hospital de campanha na base aérea instalada na cidade, com apoio da Aeronáutica, onde serão mais 50 leitos, 20 deles de UTI.

“Em duas a três semanas, é melhor que nós possamos nos sentir ridículos por termos exagerado do que esúpidos por não termos agido. O falido se recupera, o falecido não”, diz o prefeito Valter Suman (PSB). “É triste falar isso, mas me sinto numa cidade fantasma”.

Seis carros de som rodam pela cidade, falando sobre o crescimento do número das mortes e orientando as pessoas ficaram em caso e evitarem a todo custo aglomerações.

Aglomerações

Especialistas apontam que o espalhamento do vírus pelo ar é agravado em ambientes onde há aglomeração. Justamente por isso, a recomendação deles é que atividades ao ar livre onde não há qualquer tipo de proximidade ou contato com outra pessoa não oferecem riscos. Mas atividades de lazer, como passeio em praias cheias, diminuem a eficácia da quarentena.

“A base do isolamento social é que a gente conviva o mínimo possível com as pessoas do ponto de vista física, tenha o mínimo possível de chance de contato. Isso significa que eventualmente nós podemos fazer pequenas saídas para ir a um mercado, uma pequena caminhada, desde que a gente não encontre com pessoas, não converse com pessoas na rua, que a gente não encoste nas pessoas”, diz o infectologista Renato Grinbaum.

“É um temor muito grande se as pessoas começarem a relaxar, se elas forem para almoços de família na Páscoa, se elas forem para a praia se divertir e com contatos entre pessoas, como se a gente tivesse uma situação normal. O que a gente espera, caso isso aconteça, é que algumas das pessoas vão adoecer e transmitir para outras pessoas, e que a gente vai perder um bocado da eficácia do isolamento social”, completa.

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

PL 2034 aprovado pelo governador do Rio de Janeiro é vitória para os guias de turismo

O Projeto de Lei Nº 2034 acaba de ser aprovado pelo governador do Rio de Janeiro Wilson Witsel e se transforma na Lei Estadual...

Parques da SeaWorld na Flórida reabrirão ao público em 11 de junho

O SeaWorld Entertainment, Inc., uma das empresas de entretenimento líder no mundo, anunciou o projeto de reabertura em fases (com capacidade limitada) dos seus...

Temperaturas caem em Santa Catarina e toneladas de tainha são pescadas (Vejam vídeos)

Por Jefferson Severino especial para o DIÁRIO DO TURISMODe fato, hoje o estado catarinense completa 32 dias com temperaturas negativas. Segundo o Homem do...

Efeitos da pandemia: o fim dos blocos comerciais e início de acordos bilaterais

Por Carlo Barbieri*O mercado globalizado como o conhecemos hoje, já está em plena mudança devido à pandemia. Teremos um realinhamento na estrutura comercial do...

Pedidos de recuperação judicial aumentam depois da Covid-19

O último levantamento da Boa Vista, divulgado no início deste mês, registra alta em maio de 68,6% no número de pedidos de recuperação judicial...

Fronteiras terrestres entre Espanha, Portugal e França abrem em 22 de junho

MADRI (Reuters) - A Ministra da Indústria e do Turismo espanhola, Reyes Maroto, disse nesta quinta-feira que todas as restrições a cruzamentos nas fronteiras...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias