Rio fecha comércio em favelas para conter Covid-19

Preocupada com a baixa adesão ao isolamento social e com o avanço do novo coronavírus no Rio de Janeiro, a prefeitura da cidade decidiu restringir o funcionamento do comércio em favelas e o acesso de veículos a determinados bairros da capital fluminense como forma de reforçar as medidas de distanciamento social para limitar a disseminação da Covid-19.

Reuters

O comércio não essencial nas centenas de comunidades da cidade, onde moram quase 2 milhões de pessoas, terá de ficar fechado pelos próximos sete dias, de acordo com decreto do prefeito Marcelo Crivella.

Apenas farmácias e mercados poderão funcionar no período de vigência das medidas, que entram em vigor na terça-feira e têm validade até 18 de maio. No entanto, não ficou claro como as autoridades vão fiscalizar o cumprimento das medidas em locais muitas vezes sob controle do crime organizado.

A prefeitura tem verificado bastante movimentação de pessoas nas favelas da cidade, onde muitos moradores enfrentam situações desfavoráveis para enfrentar o novo coronavírus, como falta de condições adequadas de higiene e alto adensamento populacional.

Além da restrição ao comércio nas comunidades, o decreto que reforça as medidas de isolamento social para enfrentar a Covid-19 no Rio limita o acesso de veículos ao centro de bairros como Tijuca, Cascadura, Madureira, Jacarepaguá, Méier, Pavuna, Pedra de Guaratiba, Grajaú e Santa Cruz. Somente moradores dessas áreas poderão acessar o local.

“Muitas pessoas ainda não se deram conta da necessidade de evitar aglomerações, de ficar em casa, e somente sair para realizar trabalhos essenciais e atender a necessidades inadiáveis”, disse Crivella a jornalistas em entrevista sobre o decreto.

“Ao se exporem desnecessariamente, fazem o mesmo às demais pessoas, o que aumenta a propagação do vírus e a sobrecarga nos hospitais, aumentando o risco de mortes. Precisamos impedir que mais pessoas adoeçam e haja casos graves chegando às unidades de saúde do município. Nossa intenção é prevenir para salvar mais vidas e permitir que os hospitais tenham melhores condições de atender a todos”, acrescentou.

Na semana passada, a prefeitura do Rio estabeleceu o que chamou de lockdown parcial nos bairros de Campo Grande e Bangu. A cidade já está com medidas de isolamento social em funcionamento desde o mês passado, mas muitas pessoas e até alguns estabelecimentos têm descumpridos as regras.

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Hoteleiros paraibanos criam campanha “Paraíba Flexível & Segura”

Hoteleiros de João Pessoa, Campina Grande e Costa do Conde, em parceria com o setor de receptivo, inicia no dia 1º de agosto a...

Grand Palladium Imbassaí Spa & Resort retoma atividades dia 06 de agosto

O Palladium Hotel Group anuncia nova data de reabertura do Grand Palladium Imbassaí Spa & Resort. Inicialmente previsto para voltar a operar em 30 de...

LATAM já entregou 10 mil máscaras cirúrgicas para hospital em São Carlos

A LATAM Airlines Brasil realizou na última semana a entrega de 10 mil máscaras cirúrgicas ao Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos...

FBHA trabalha para incluir o setor do Turismo na MP 975

Na última segunda-feira (6), o presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio, representou a entidade na reunião com os deputados...

Vinícola Aurora recebe certificação internacional por redução de CO2

Quase quatro mil árvores preservadas. Cerca de 61 toneladas de papel a menos enviadas para os aterros sanitários. A redução na emissão de 144,2...

KLM retoma voos diários entre São Paulo e Amsterdã

Quase quatro meses após ter reduzido a dois voos semanais entre o Brasil e a Holanda, a KLM volta aos níveis pré-crise do Covid-19 em...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias