Tecpar apoia estudos pioneiros na área ambiental

Uma pesquisa pioneira na área ambiental, desenvolvida com o apoio do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), vai ajudar a identificar a contaminação de águas naturais com o elemento químico chamado telúrio (Te). Ao lado de outros elementos menos usuais, o telúrio tem sido cada vez mais utilizado em produtos tecnológicos, principalmente em setores como eletroeletrônica, energias renováveis, computação e medicina.
EDIÇÃO DO DIÁRIO
O método inédito para identificar a presença de formas químicas do telúrio em água natural foi desenvolvido pela pesquisadora Mayara Padovan dos Santos, para a obtenção do título de mestre em Química Analítica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).
O diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado, destaca que além de apoiar a pesquisa científica e acadêmica, o instituto tem uma forte atuação para garantir a qualidade da água no Paraná e no Brasil.
Por meio do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente, o instituto oferece a empresas públicas e privadas os serviços de análises em águas superficiais, procedentes de rios, lagos, nascentes e subterrâneas. Essa atividade é reconhecida e acreditada pela Coordenação Geral de Acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).
“É um serviço de importância ambiental, econômica e social para o Paraná, pois contribui tanto para a saúde pública, quanto para a qualidade na produção industrial, gestão ambiental e sustentabilidade. A estrutura de laboratórios e a equipe multidisciplinar do Tecpar permitem prestar este serviço com precisão e eficiência”, afirma o diretor-presidente.
INOVAÇÃO – Segundo Mayara, que atualmente é doutoranda em Química, estudos já constatam o aumento da concentração do telúrio em águas e solos, o que pode vir a ocasionar contaminação ambiental. Apesar deste potencial dano ambiental, ainda não há no Brasil um método base para determinar a presença deste elemento em águas.
“A inovação deste trabalho é que adaptamos os componentes de um dispositivo já existente chamado DGT, com o objetivo de reter as formas de telúrio presentes na água. O dispositivo é mergulhado no local a ser investigado, e ao retirá-lo conseguimos extrair as formas que foram retidas e determinar sua concentração na água”, explica a pesquisadora.
O trabalho teve a coorientação do pesquisador do Tecpar e doutor em Química, Eder Jose dos Santos, e a orientação do professor doutor em Química da UFPR, Marco Tadeu Grassi.
DISPOSITIVO – O dispositivo DGT (do inglês, Diffusive Gradients in Thin-films) é uma técnica que permite a amostragem seletiva de formas químicas em águas naturais, solos e sedimentos. O seu funcionamento baseia-se na retenção das formas químicas em uma fase chamada ligante.
Na pesquisa de Mayara, a fase ligante do dispositivo foi modificada, sendo utilizado o composto químico chamado montmorilonita (MMT). A análise feita em laboratório investigou a presença de formas de telúrio em águas naturais continentais (doces) e salgadas, da região de Curitiba e do litoral paranaense. Os resultados apontaram a presença de formas de telúrio somente na região de Paranaguá.
ÁGUAS MARINHAS – Em outro estudo apoiado pelo Tecpar, desenvolvido pelo estudante de graduação em Química da UFPR Mateus Sabtke, o foco foi buscar materiais alternativos para analisar e quantificar a presença de elementos chamados terras-rara em águas marinhas, utilizando a mesma técnica do dispositivo DGT.
O grupo terras-rara é o nome dado a 17 elementos que ganham cada vez mais destaque na produção tecnológica atual, sendo amplamente usados em celulares, telas em equipamentos eletroeletrônicos, câmeras fotográficas e ligas metálicas.
A novidade desta pesquisa é que foram testados materiais sintéticos na fase ligante do dispositivo, desenvolvidos pelo Laboratório de Química de Materiais Avançados da UFPR. O objetivo era conferir se eles teriam a mesma eficiência que os materiais naturais. Os resultados prévios reforçaram a possibilidade da aplicação de materiais sintéticos como fase ligante para os terras-raras, com aplicação inicial em águas marinhas.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Ronaldo Albertino, da Hotel Care, faz prognósticos do setor: “a regra vai ser fechar as contas no zero a zero”

Quando iremos retomar a normalidade da atividade econômica, em especial as atividades hoteleiras? por Paulo Atzingen*Uma recente enquete do Bradesco BBI (Banco de Investimento da...

Decidido: ABIH-SC transfere 33ª edição do Encatho & Exprotel para agosto de 2021

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ABIH-SC, informou na tarde desta terça-feira sua decisão de transferir a 33ª edição do...

Jornalista: um escritor que navega pelas correntezas do verossímil

Por Paulo Stucchi*Recordo-me de um professor – daqueles que marcam a vida da gente numa época em que queremos abraçar o mundo, mas não...

Vila Galé apoia MP 936/2020 que preserva empregos e renda de colaboradores

Em comunicado emitido na manhã desta terça-feira (7), o grupo português Vila Galé congratula-se com as primeiras medidas aprovadas pelo Governo Federal brasileiro de...

Cabe negociação coletiva se houver suspensão contratual durante pandemia

As empresas deverão notificar os sindicatos da intenção de suspender temporariamente contratos e de realizar corte salarial. É o que determina o ministro Ricardo Lewandowski, do...

Obras no Largo do Boticário do JO&JOE são iniciadas

As obras de revitalização e transformação das cinco casas que constituem o histórico Largo do Boticário, no Cosme Velho, zona Sul do Rio de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias