VIAGEM ZEN: o AconChego do Matutu

Para quem quer Vivenciar Sensibilidade por todas as Trilhas

por Regina Diniz**

Muito mais do que banhos de cachoeiras, caminhadas, cavalgadas e boa comida, o Vale do Matutu, é uma pausa para uma Viagem Zen, um contato com a gente mesmo.  Ao chegar no pé do morro do Papagaio, deixa-se a bagagem urbana e entram os aromas e ares da vida rural do Vale do Matutu, a 18 quilômetros – por estrada de terra, da cidade mineira de Aiuruoca, Minas Gerais.

 

Naquele sopé, deixamos as roupas da cidade e os sapatos do asfalto. Vestimos as túnicas folgadas de nós mesmos e como que com pés de cristal caminhamos em contato com aquele solo básico, aquela terra gentil que acolhe e resgata a nossa essência. Horas de descanso e bem-estar, alegria de criança ao ver pela primeira vez o mar ou empinar pipa com o pai ou comer o pudim da avó.

Há amanheceres coloridos em toda a estação, entardeceres também, águas refrescantes...
Há amanheceres coloridos em toda a estação, entardeceres também, águas refrescantes…

Abracadabra

Ali, naquele pedacinho de meu Deus, a gente esquece das sacolas da lida e se embrenha nas caminhadas e banhos de cachoeiras, se joga nos caminhos floridos, nas escaladas do Pico do Papagaio ou nas cavalgadas pela região, de um lado e de outro do Vale do Matutu. É como se estivésses em um tapete voador, aquele das Arábias, em contato com a lâmpada mágica (limpando, limpando e fazendo os pedidos), abrindo aquela fenda de pedra e dizendo as palavras mágicas – Abracadabra… e a paz entrou.

 

Os encantos das pousadas, das cozinhas abençoadas de Minas, pra veganos, vegetarianos e pros não praticantes, há opções salgadas e doces a perder de vista no horizonte, na terra dos papagaios (Aiuruoca). Há amanheceres coloridos em toda a estação, entardeceres também, águas refrescantes, Spa-Zen, lojinha de lembranças no centro do Vale e montanhas sem fim para serem exploradas pelo viajante, amante da Natureza e de uma boa prosa.  

Há também um templo pequeno, santuário espiritual, nos arredores, que encanta pelos cantos gregorianos...
Há também um templo pequeno, santuário espiritual, nos arredores, que encanta pelos cantos gregorianos…

Santuário espiritual

Há também um templo pequeno, santuário espiritual, nos arredores, que encanta pelos cantos gregorianos de tradição Cristã entoados por um dos donos de pousada e, muitas vezes, por músicos, que ali se hospedam. Cenário e palco de meditação singular, pura inspiração e sintonia com o divino. O silêncio apaziguador (que apazigua a dor) paira naquele santuário construído em frente a uma paineira, de mais de 300 anos de idade e altura de um prédio de 20 andares.

 

Acolhimento e paz são a tônica do Matutu. Lá respira-se o prazer de estar na estrada, no caminho, de boa!

 

*pede-se para ir livre e deixar envolver-se e seguir o ritmo e ao se despedir, com um até breve, deixar o lugar intacto e coberto de boas intenções e ações, para voltar e voltar e voltar.

Foto_Re_Perfil**Regina Diniz é terapeuta com especialidades em Reiki, Massagem Terapêutica e Alinhamento Energético – atende pelos fones (11) 96972-0522 e (11) 98572-4041 – (https://www.facebook.com/viagemzen/)

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Califórnia retrocede na reabertura com expansão do coronavírus nos EUA

SACRAMENTO, Estados Unidos (Reuters) - O governador da Califórnia decretou nesta segunda-feira um recuo no plano de reabertura da economia do Estado norte-americano, após...

La Casa de Papel: a transferência de liquidez relatada pelo refém brasileiro**

Por Paulo Atzingen* (de Madri) Só depois de passados alguns anos do assalto à Casa da Moeda da Espanha e me tornado refém por aquele...

Dentro de uma capela brasileira feita de vinho

por DANIELLE BAUTER* Com sua paisagem de colinas verdes ondulantes pontilhadas de fazendas familiares, a vista pode facilmente ser confundida com a Toscana. O estado...

A politização da Pandemia – por Gaudêncio Torquato*

Cada coisa em seu lugar. Ou, em outros termos, cada macaco em seu galho. A popular expressão aconselha que cada pessoa deve exercer o...

Fairmont Rio de Janeiro reabre dia 1º de setembro

O Fairmont Rio de Janeiro Copacabana se prepara para receber seus primeiros hóspedes pós-quarentena a partir de 1º de setembro de 2020. EDIÇÃO DO DIÁRIO...

Os riscos do desconfinamento e o Turismo

por Bayard Do Coutto Boiteux* No momento em que escrevo o presente artigo vejo que vários países europeus estão sendo obrigados a retomarem programas de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias