A ditadura do gosto pode estar com os dias contados

Pode-se dizer que dos anos 1990 para cá, pouco mais de 30 anos começou a nascer a indústria do vinho moderna, não tão ligada à tradição, mas usando a mesma para efeito de marketing e o surgimento de muitos escritores sobre vinhos.

por Werner Schumacher*


Um produto industrial precisa toda uma estrutura no seu entorno para ser vendido, desde a tecnologia de produção vitivinícola ao engarrafamento e colocação do produto no mercado, mas para vender ele precisa do marketing para ser vendido por si só, pois o local de oferta do mesmo é a charmosa gôndola do supermercado.

A globalização também impulsionou este caminho, talvez tenha acelerado isto e mais empresas começaram a disputar por uma fatia cada vez maior. Novos “players” como gostam de dizer hoje, surgiram, entre eles: Estados Unidos, Austrália, África do Sul, Argentina e Chile, que somados aos principais produtores da Europa, formam o mercado global.

Como o produto está na gôndola do supermercado, é preciso fazer com que a garrafa se venda por si só, preceito do marketing, pois não há um vendedor para fazer tal tarefa. Com isto começaram a surgir garrafas de todo peso, tamanho, cor, etc. e rótulos os mais espalhafatosos possíveis.

A propaganda na televisão era um grande aliado, mas aos poucos começou a ser proibida e foi preciso inventar novos mecanismos. Surgiu então o merchandising e lembro de uma novela com a Tonia Carreiro, quando ela bebia o vinho Alfama da Mônaco e a empresa vendeu horrores, acabou a novela, caiu a compra.

Então começaram a surgir os escritores de vinho e muito dos quais chegaram a criar estilos de vinhos, como o Robert Parker Jr e muitos produtores passaram a produzir vinhos que agradassem ao seu Parker, pois da noite para o dia um vinho ia de US$ 3,00 a garrafa para US$ 300,00.

Mr. Parker criou o seu próprio boletim, The Wine Advocate, mas surgiram inúmeras revistas em todo o mundo e um monte de gente interessada em ficar famosa como o americano e alimentarem os consumidores com informações preciosas.

Então começaram a surgir os escritores de vinho e muito dos quais chegaram a criar estilos de vinhos (Crédito: DEnoturismo)

Indústria cresceu

Vieram então as escalas de pontos, os melhores vinhos e todo mundo foi mergulhando nisto. Cada um querendo ser melhor que o outro, ter a melhor escala de pontuação: de 5, 20, 100 e muitos ainda colocam um + depois. Listas incríveis.

E a indústria cresceu e muito neste período, principalmente, no que se refere a concentração.

Com isto também veio o GOSTO PADRONIZADO, pois todos deveriam beber pontos, listas e o gosto do crítico (escritor) de vinhos.

Conheço um lojista que manda fazer selos para colar nas garrafas que receberam altas pontuações e os clientes adoram comprar pontos.

Publicado há poucos dias, um desses críticos tem como manchete do seu artigo este título: “Quatro variedades de uva prosperando em lugares inesperados”, como se fosse impossível produzir Chardonnay e Pinot Noir fora da Borgonha, e cita a California, a Itália, não lembro se a Alemanha, como sendo promissores locais de cultivo dessas variedades.

Este cara deve ser um neófito, que fez alguns desses cursos que só valorizam lugares tradicionais, daí serve e que conseguem um espaço para dizer coisas sem o menor conhecimento.

Com isto também veio o GOSTO PADRONIZADO, pois todos deveriam beber pontos (Crédito: DEnoturismo)

Ditadores do gosto

Da Inglaterra para o mundo, também surgiram Escolas que formam profissionais altamente qualificados, com menos de 40, que surgiu para o mercado inglês e viralizou para outros países e aí encontramos um deles que dá 92 pontos para um vinho de uva Criolla, outra que adora Bret e assim, por diante.

Mas o mundo dá voltas e eles mesmos e demais ditadores do gosto, que querem delimitar o teu gosto e dizer o que tu deves beber, percebe-se estão despencando.

Quem viver verá a redemocratização do gosto.

Santa Lúcia do Vale dos Vinhedos, 29.06.2020



*Werner Schumacher estudou Economia na PUC/RS e é um dos responsáveis pela profissionalização da vitivinicultura no Brasil.

 

 

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Theatro Municipal de São Paulo terá passeio virtual nesta quinta-feira (9)

Iniciativa da Secretaria Municipal de Turismo tem como foco promover atrativos turísticos e culturais durante a pandemia de coronavírus Agências municipais com EDIÇÃO DO DIÁRIO ------------------------------------------------------------------------------------------------- Toda...

Avianca Brasil pede falência

Por Marcelo Vianna* Após entrar em recuperação judicial em dezembro de 2018, a Avianca Brasil pediu falência na última sexta-feira (03.07) perante à 1ª Vara de...

OMS orienta que viajantes encarem pandemia de Covid-19 com seriedade

GENEBRA (Reuters) - A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu aos viajantes nesta terça-feira que usem máscaras em aviões e se mantenham informados, à...

7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação. Reuniões virtuais, lives, webinars e...

O golpe do motoboy e a responsabilidade dos bancos

O golpe do motoboy é uma fraude efetuada em que os golpistas se passam por funcionários do banco, e ligam para o cliente informando...

Celso Guelfi, CEO da Global Travel Assistance: “Temos mais futuro que passado”

De acordo com dados da recente pesquisa Criteo (NASDAQ: CRTO) - uma empresa global de tecnologia -  68% dos brasileiros estão ansiosos para viajar...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias