IATA: financiamento público de medidas de saúde deve ser assegurado

Nesta quinta-feira (2), o Conselho Internacional de Aeroportos de Montreal (ACI) e a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) solicitaram que os custos relacionados às medidas de saúde pública que objetivem mitigar a propagação de doenças transmissíveis sejam suportados pelos governos.

EDIÇÃO DO DIÁRIO (com tradução)


O efeito da pandemia do COVID-19 no setor e na economia em geral interrompeu a aviação em nível global, levando a perdas de bilhões de bilhões em receita e tráfego.

À medida que o setor começa a reiniciar e planejar uma recuperação sustentada a longo prazo, a saúde e a segurança de passageiros e funcionários continuam sendo a principal prioridade para aeroportos e companhias aéreas. A Organização Internacional de Aviação Civil (OACI), por meio da Força-Tarefa de Recuperação de Aviação do Conselho (CART), decidiu formar uma parceria com seus Estados Membros, organizações internacionais e regionais e a indústria para enfrentar os desafios e fornecer orientação global para uma proteção segura. e reinício sustentável e recuperação do setor de aviação. As orientações do TakeOff da OACI descrevem várias novas medidas para proteger a saúde pública, que já estão sendo introduzidas por aeroportos e companhias aéreas em todo o mundo.

Dividindo responsabilidades

Para garantir sua eficácia, essas medidas – que incluem exames de saúde, sanitização e distanciamento social – exigirão a implementação pelas autoridades nacionais competentes. A ACI e a IATA acreditam que os papéis e responsabilidades existentes de governos, companhias aéreas, aeroportos e outras partes interessadas operacionais devem ser respeitados na implementação da resposta ao surto de COVID-19. As companhias aéreas e os operadores aeroportuários devem ser incluídos nas discussões nacionais para avaliar os aspectos práticos da implementação das soluções propostas pela OACI destinadas à harmonização entre jurisdições.

Reconhece-se uma colcha de retalhos de diferentes estruturas e que arrisca confundir os viajantes, introduzindo ineficiências e custos adicionais desnecessários de conformidade para passageiros, aeroportos e companhias aéreas. De fato, o Regulamento Internacional de Saúde da Organização Mundial da Saúde exige que os governos paguem os custos de medidas de saúde.

Novas Medidas

“À medida que as operações de aeroportos e companhias aéreas começam a se recuperar lentamente, a saúde e a segurança de passageiros e funcionários são fundamentais e muitas novas medidas de saúde estão sendo consideradas pelos governos para implantação nos aeroportos”, disse o diretor mundial da ACI, Luis Felipe de Oliveira.

“À medida que o setor navega nas complexidades de reiniciar as operações, a ACI acredita que o custo de qualquer medida de saúde necessária deve ser assumido pelos governos. A ACI e a IATA estão alinhadas com esse problema, conforme estabelecido na Abordagem conjunta de segurança para aviação – ACI e IATA, que foi nossa contribuição para as orientações de TakeOff da ICAO.

Isso estabeleceu que o financiamento público de medidas de saúde deve ser assegurado, incluindo, entre outros, as mudanças de infraestrutura ou operacionais necessárias para sua implementação. ”

O diretor-geral e CEO da IATA, Alexandre de Juniac, disse: “A indústria da aviação quer movimentar o mundo novamente. Trabalhamos com sucesso com a OACI e com muitos governos em todo o mundo para implementar protocolos padronizados que salvaguardam a saúde pública e dão aos viajantes a confiança para voltar aos céus. Mas a indústria ainda está à beira de um precipício financeiro. Os custos extras das medidas de saúde exigidas pelos governos devem – como recomenda a OMS – ser suportados pelos governos. Isso permitirá que a indústria concentre recursos escassos em reconectar o mundo e impulsionar a recuperação econômica. ”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    Projeta Rocinha, no Rio, tem cinema projetado no Morro Dois Irmãos

    A maior favela da América Latina está sendo palco de uma iniciativa cultural inédita: o Projeta Rocinha. Em tempos de #FiqueEmCasa, a iniciativa que...

    Nova Lei de Falências e Recuperações Judiciais entra em vigor neste domingo

    Legislação, que entrará em vigor no país a partir de 24 de janeiro, dará mais fôlego às empresas, torna mais viável o pedido de empréstimos...

    Novos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro são anunciados

    Foram anunciados na tarde desta sexta-feira (22) o nome dos 26 novos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro. O evento vem ano a...

    Turismo Sustentável começam a ser gerados na Grande Reserva Mata Atlântica

    Negócios de turismo sustentável e produção de natureza localizados nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo serão impactados pelo primeiro Centro de...

    Operadoras não vendem 50% do que venderam no mesmo mês de dezembro, em 2019

    Um balanço apresentado na tarde desta sexta-feira (22) pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo - Braztoa - aponta que o faturamento referente às...

    Pierfrancesco Vago nomeado Presidente Executivo Global da Cruise Lines International Association (CLIA)

    Uma nota da MSC Cruzeiros acaba de informar que seu presidente honorário Pierfrancesco Vago foi nomeado Presidente Executivo Global da Cruise Lines International Association...

    Relacionadas

    Open chat