Sem Centro de Convenções, turismo de Salvador perde R$ 200 milhões por ano

Salvador caiu da terceira para a 10ª colocação no ranking de cidades brasileiras que sediam eventos internacionais

CORREIO DA BAHIA

Desde que o Centro de Convenções da Bahia (CCB) teve suas atividades interrompidas, Salvador caiu da terceira para a décima colocação no ranking de cidades brasileiras que sediam eventos internacionais credenciados pela Icca (International Council for Commercial Arbitration). Foi o que revelou o secretário municipal de Cultura e Turismo (Secult), Claudio Tinoco.

 

“Em 2011 foram 29 eventos internacionais de grande porte sediados aqui. Já no ano passado, esse número caiu para cinco. Ficávamos atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro, mas já fomos ultrapassados por cidades como Florianópolis, Fortaleza e Foz do Iguaçu”, disse o secretário em entrevista ao CORREIO.

Um dia após ladrões serem flagrados – e liberados – pela polícia, em posse de aparelhos de ar-condicionado do local, o CORREIO presenciou uma série de saques, na manhã desta segunda-feira (21) e ainda mostrou como é fácil entrar no equipamento – que desabou parcialmente em setembro do ano passado.

 

O presidente do Conselho Baiano de Turismo, Roberto Duran, conta que o turismo de congressos é o que dá sustentação ao setor. “Esse é o turismo que movimenta a cadeia produtiva de março a dezembro. O turismo de lazer é responsável pelo período de pico, mas são apenas três meses. Os congressos é que de fato seguram todo o segmento”, disse.

Ainda segundo ele, nos últimos dois anos, 20 hotéis e cerca de 3 mil bares e restaurantes fecharam as portas na capital

 

De acordo com Duran, imediatamente após o fechamento do CCB, Salvador perdeu nove grandes congressos que já estavam agendados. Desde então, cerca de R$ 200 milhões por ano têm deixado de ser arrecadados. “Como a construção de um novo Centro de Convenções não será nos próximos três anos, o impacto negativo total deverá ser de R$ 1,5 bilhão”, estimou Duran.

 

Ainda segundo ele, nos últimos dois anos, 20 hotéis e cerca de 3 mil bares e restaurantes fecharam as portas na capital, o que provocou o fechamento de cerca de 30 mil postos de trabalho. Para Duran, a crise que vive o setor seria menor caso o CCB estivesse funcionando.

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Accor apoia projeto Turismo Ético e Responsável do DIÁRIO

A Accor é uma das apoiadoras do projeto  Turismo Ético e Responsável que o DIÁRIO lançou em julho. REDAÇÃO DO DIÁRIO Resultado de uma mudança de...

Trem turístico que liga Curitiba a Morretes voltou a operar

A viagem de trem que liga Curitiba à histórica cidade de Morretes, no Paraná, voltou a operar no último sábado (8). O trem da...

Campos do Jordão finalmente reabre ao turismo

Por Eduardo Andreassi* Campos do Jordão passa para a fase amarela do plano São Paulo e comércios passam a poder funcionar Com o decreto divulgado pelo...

Rei Juan Carlos marca encontro com o professor de La Casa de Papel

por Paulo Atzingen* Com a transferência do julgamento do grupo do professor Sérgio Marquina para Barcelona tive que me despedir de Madri. Parti naquela...

Pernambuco amplia horário de funcionamento de restaurantes e bares a partir da segunda-feira (10)

Os turistas que estão começando a planejar viagens para Pernambuco contam com uma boa notícia. A Secretaria de Turismo do Estado informa que devido...

Restaurante Syria resgata a essência da comida árabe em São Paulo

Por Mary Ellen Aquino (Com Edição do DT)* No mesma terça-feira (4) deste mês de Agosto em que uma grande explosão destruiu uma parte de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat