Sem Centro de Convenções, turismo de Salvador perde R$ 200 milhões por ano

Salvador caiu da terceira para a 10ª colocação no ranking de cidades brasileiras que sediam eventos internacionais

CORREIO DA BAHIA

Desde que o Centro de Convenções da Bahia (CCB) teve suas atividades interrompidas, Salvador caiu da terceira para a décima colocação no ranking de cidades brasileiras que sediam eventos internacionais credenciados pela Icca (International Council for Commercial Arbitration). Foi o que revelou o secretário municipal de Cultura e Turismo (Secult), Claudio Tinoco.

 

“Em 2011 foram 29 eventos internacionais de grande porte sediados aqui. Já no ano passado, esse número caiu para cinco. Ficávamos atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro, mas já fomos ultrapassados por cidades como Florianópolis, Fortaleza e Foz do Iguaçu”, disse o secretário em entrevista ao CORREIO.

Um dia após ladrões serem flagrados – e liberados – pela polícia, em posse de aparelhos de ar-condicionado do local, o CORREIO presenciou uma série de saques, na manhã desta segunda-feira (21) e ainda mostrou como é fácil entrar no equipamento – que desabou parcialmente em setembro do ano passado.

- Advertisement -

 

O presidente do Conselho Baiano de Turismo, Roberto Duran, conta que o turismo de congressos é o que dá sustentação ao setor. “Esse é o turismo que movimenta a cadeia produtiva de março a dezembro. O turismo de lazer é responsável pelo período de pico, mas são apenas três meses. Os congressos é que de fato seguram todo o segmento”, disse.

Ainda segundo ele, nos últimos dois anos, 20 hotéis e cerca de 3 mil bares e restaurantes fecharam as portas na capital

 

De acordo com Duran, imediatamente após o fechamento do CCB, Salvador perdeu nove grandes congressos que já estavam agendados. Desde então, cerca de R$ 200 milhões por ano têm deixado de ser arrecadados. “Como a construção de um novo Centro de Convenções não será nos próximos três anos, o impacto negativo total deverá ser de R$ 1,5 bilhão”, estimou Duran.

 

Ainda segundo ele, nos últimos dois anos, 20 hotéis e cerca de 3 mil bares e restaurantes fecharam as portas na capital, o que provocou o fechamento de cerca de 30 mil postos de trabalho. Para Duran, a crise que vive o setor seria menor caso o CCB estivesse funcionando.

 

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    FecomércioSP realiza debate sobre futuro dos cruzeiros e agências de viagem

    A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) promove nesta terça-feira (18) mais um webinário da série...

    O que define o preço do vinho?

    A pergunta de Cláudio Nepobusceno - O que define o preço do vinho? - para a série Pergunte ao Werner é mais complexa, o...

    Liguia do Rio de Janeiro protesta com auxílio proposto: “Governo deveria ter a decência!”

    Os guias de turismo do Rio de Janeiro, representados pela Liga Independente dos Guias de Turismo – Liguia, fizeram um ato pacífico na frente...

    Búzios Convention lança campanha Marca Visit Búzios

    A campanha dá as caras nas mídias sociais e nos meios de comunicação nacionais nesta segunda-feira (17) com um tempo bem corrido para a...

    Itália reabre para viajantes de lazer que embarcam nos voos da Delta

    Desde 16 de maio, as frequências sem quarentena para as cidades italianas Roma e Milão estão abertas aos clientes com resultado negativo em testes para...

    Hotel Toriba, em Campos do Jordão, promove workshop de jardinagem e paisagismo

    O Toriba, hotel icônico, localizado em Campos do Jordão (SP), sempre pensando em proporcionar as melhores experiências para seus hóspedes, realizará uma oficina de...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing