Brasília, a capital em cinzas e o brasiliense original

15 ANOS DIÁRIOS – PUBLICADO EM 25 DE MAIO DE 2017

Texto Paulo Atzingen – Fotos: Renato Borges

A capital do Brasil emociona por seus espaços. Vivo, vivemos, exatamente a era em que um dos maiores sonhos arquitetônicos e urbanistas do planeta foi criado, no entanto não sou, não somos contemporâneos de um sonho de cidade, muito menos de país. Somos contemporâneos de um pesadelo, ou de um esboço de nação. Foi dado espaço demais a homens de menos.

Caminho por Brasília e sinto-me feliz por não fazer parte da decadência do poder que dela exala. Sinto-me satisfeito em nenhuma fase de minha vida ter sido cúmplice de negociatas, arranjos, conchavos em troca de um saco de dinheiro. Posso sorver o sonho de quem acreditou um dia neste país e nesta cidade, quando passei por aqui nos anos 80 indo para a alta floresta.  A brasilinha dos poetas, dos candangos e dos que sonharam com a Nova Cap; sim, sonharam e chegaram aqui ou por aqui passaram. Como Jobim (o Tom), que nos idos dos anos 60 viu um riacho e perguntou para Vinicius (o de Moraes). “A  agua é de beber?” Era. A cidade nascia e junto a ela um clássico da Bossa Nova…

Enjaulado

Andando pelas avenidas largas desta capital vejo o verdadeiro brasiliense. São pessoas simples, de fala cantada (híbrido de nordestino e mineiro em sua terceira geração). Esse brasiliense que conheço é diferente do sofisticado homo brasilis que se enjaulou em um gabinete – tornando-se o  político que almeja uma ascensão no poder, ter um mega-salário, regalias regimentais, imunidade vitalícia e aposentadoria imoral.

Esse brasiliense que conheço representa a estirpe colonial do país, a faceta medieval instalada nas cidades satélites (Foto: Renato Borges)

Esse brasiliense que conheço tem uma gratidão pela terra que o acolheu ou acolheu seus pais – por isso não é amargo, por isso é manso. Esse brasiliense que conheço é capaz de dar um abraço verdadeiro, sorrir com sinceridade e mesmo sem terno ou gravata,  ser elegante com sua rusticidade original.  E por ter essas caracteristicas que os libertam, paradoxalmente também os escravizam.

Ser original

A brasilinha dos poetas, dos candangos e dos que sonharam com a Nova Cap; sim, sonharam e chegaram aqui ou por aqui passaram

Esse brasiliense que conheço não é sofisticado. Sim, ele parou no tempo e deixou de acompanhar as tendências do mundo globalizado. Sim, ele não conhece Miami e não compra bolsa Louis Vuitton. Ele não teve muitas chances porque arrancaram deles os direitos. Nasceu em famílias pobres (a pobreza federal) e o máximo que conseguiu foi morar em uma cidade satélite e viver de programas sociais. Trabalha no ônibus, na venda de doces e biscoitos, no artesanato, no contato direto com as pessoas.  Esse ser original que conheço vem das terras vermelhas do DF vender sua produção de abóboras, suas hortaliças; o fruto de um trabalho original… Todos tem uma testa queimada de sol, sulcos no rosto. Representam a estirpe colonial do país, a faceta medieval instalada nas cidades satélites. E indo mais longe no tempo, representam os hebreus nas terras dos faraós.

Decadência

À essa simplicidade nas linhas de Niemeyer e do traçado de Lucio Costa – de uma cruz criaram as asas e de um terreno plano e um horizonte anteviram um novo mundo e um novo homem – foi acrescentada a complexidade humana: os processos, os protocolos e os regimentos – leis e canons gregos – foram incorporados à Kubitschek. E a decadência do sonho começou. Vieram os generais (Castelo Branco, Costa e Silva, Geisel e Figueiredo), e uma nova decadência; depois os nordestinos (Collor e Sarney) outra decadência; depois o sociólogo (Fernando Henrique) nova decadência, depois o operário e a guerrilheira (Lula e Dilma) a decadência em sua forma lata; e agora a decadência elevada a uma potência turbinada por dinheiro de empreiteiras  e caixa-dois.

À essa simplicidade nas linhas de Niemeyer e do traçado de Lucio Costa – de uma cruz criaram as asas e de um terreno plano e um horizonte anteviram um novo mundo e um novo homem (Foto: Renato Borges)

Ah… “as instituições solidificaram a democracia”…ouço o velho político da tribuna defender-se…de democracia vejo um amontoado de prédios recheados de burocracia e regulamentos, servidores servindo-se da Pátria e o brasiliense original suando entre as super-quadras, vivendo do lixo reciclável e orgânico que as mansões enviam para os aterros sanitários… de solidez vejo apenas essa inspiração monumental do arquiteto em seu delírio comunista e do engenheiro em seu ufanismo utópico de construir uma nova Tebas no cerrado.

Individualidade tecnológica (carrões de cinco toneladas levando apenas uma pessoa)

Individualidade tecnológica

Esta cidade monumental com seus vazios de gente, pistas carregadas de carros e espaços ainda a conquistar e a desbravar próprios de boca de sertões, obedece um ritual de progresso imposto às sociedades que se pensam evoluídas: a individualidade tecnológica (carrões de cinco toneladas levando apenas uma pessoa), a portabilidade egocêntrica (um mundo na palma da mão e a indiferença ao próximo) e os templos do consumo (a compra de objetos inúteis expostos em vitrines sedutoras).

Rios de ganância

Esta cidade que se estendeu à margem do Paranoá trouxe para cá as mesmas necessidades da antiga capital da República; o Rio de Janeiro: iates de três milhões, jatinhos de quatro milhões, mansões de seis milhões e a estranha patologia humana da sede de poder. Rios de ganância, igarapés de usura desaguam no lago Paranoá. O homo brasilis tem fome insaciável, tem pressa de chegar ao topo. Estes espaços de Brasília induzem-nos ao infinito da ambição.

O homo brasilis tem fome insaciável, tem pressa de chegar ao topo (Foto: Renato Borges)

Que essa sede e fome de poder sejam saciados de uma vez por todas. Que as almas sofisticadas desses homo brasilis saciem-se com o magma fervente e sintam-se servidos pelo banquete do holocausto do velho brasileiro. E que um novo homem, um brasiliense original – não puro, porque homem, mas com asas, rompa a casca, nasça e impere sobre esta capital em cinzas.

(Brasília, capital da República Federativa do Brasil, maio de 2017)

* Paulo Atzingen é editor do DIÁRIO DO TURISMO/ – texto originalmente publicado no WWW.ATZINGEN.COM.BR 

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Efeitos da pandemia: o fim dos blocos comerciais e início de acordos bilaterais

Por Carlo Barbieri*O mercado globalizado como o conhecemos hoje, já está em plena mudança devido à pandemia. Teremos um realinhamento na estrutura comercial do...

Pedidos de recuperação judicial aumentam depois da Covid-19

O último levantamento da Boa Vista, divulgado no início deste mês, registra alta em maio de 68,6% no número de pedidos de recuperação judicial...

Fronteiras terrestres entre Espanha, Portugal e França abrem em 22 de junho

MADRI (Reuters) - A Ministra da Indústria e do Turismo espanhola, Reyes Maroto, disse nesta quinta-feira que todas as restrições a cruzamentos nas fronteiras...

Donald Trump ameaça barrar voos de empresas aéreas chinesas

O governo Donald Trump ameaçou ontem impedir as companhias aéreas chinesas de voar de e para os EUA a partir do próximo dia 16,...

Será só daqui a 500 anos? – artigo de Jorge Salim*

O verbo 'Ser' indica estado permanente. E saindo do momento presente, o verbo poderá ser o futuro do presente, 'será'. Pois então vamos seguir o...

Hotéis Xcaret tem agora Diana Pomar em sua representação no Brasil

Com previsão de reativar suas operações na segunda-feira (15 de junho) com a reabertura do Parque Xcaret e Hotel Xcaret México, o grupo Xcaret...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias