DIÁRIO Da Patagônia Chilena II – por Paulo Atzingen

Punta Arenas – Talvez a principal matéria-prima daqui da Patagônia Chilena não seja nem o frio, nem a neve, mas o silêncio. Outro elemento perceptível e que tem aqui às baciadas, mas que não damos conta é a claridade. A combinação do azul sem adjetivos do céu e o branco das geleiras nos oferece uma overdose para os olhos que me remetem ao filme do brasileiro Walter Salles, Ensaio Sobre a Cegueira, baseado no livro de José Saramago.

Desaprendemos o olhar. Todas essas lembranças que trazemos de nossas acinzentadas metrópoles são apagadas aqui – se deixarmos, é claro – com uma nova maneira de respirar, de observar e de avistar o voo do pássaro, os albatrozes como são chamados, até que eles desapareçam em meio ao glacial, ou detrás do navio Via Australis. Em resumo, é preciso que se dê tempo ao tempo, bater menos fotos, falar menos e gravar as imagens no facebook da mente.

Aqui, a América do Sul se despedaça em centenas de ilhas e ilhotas de pedra e gelo e seus moradores, elefantes-marinhos, pinguins, castores e esses albatrozes nos dão as boas-vindas. Neste final de outubro, quando a pseudo-primavera começa, eles surgem com mais intensidade nas margens dos canais para nos observar e serem observados.

O Diário de bordo do navio Via Australis informa que o sol levanta às 6h59 e se põe às 20h09 deste dia 11 de outubro. Fui tomar o café dos madrugadores, servido a partir das 7 horas no Salão Yamana. Lá só encontrei ingleses tomando seu chá matinal.

 Os rios de neve que descem do topo da cordilheira chocam com nossos rostos durante a travessia

Na manhã deste segundo dia, navegaremos pelos canais que desenham o Parque Karukinka, que na língua dos yagan, povos primitivos daqui, quer dizer “Nossa Terra”. Descerermos no cerne desta Terra do Fogo,  e os botes, chamados Zodíacs, saem com grupos de no máximo 12 ocupantes. Chilenos, argentinos, ingleses, americanos, espanhóis e brasileiros dividiam os barcos em direção à ilha que de longe parecia de prata, cor da neve refletida sobre as árvores.

Segurança

Segurança é o gênero de primeira necessidade. Como água, bebe-se segurança nos navios da Cruzeiros Australis. Antes do embarque há uma aula de como subir e descer no bote Zodiac, como andar em terra firme e como se portar diante dos animais da ilha. “Jamais se aproximar dos elefantes-marinhos”, afirma Mônica Rivero, guia de expedição. O número do apartamento de cada hóspede é representado por uma tarjeta que acompanha o salva-vidas. Todos têm que pendurar esta tarjeta em um quadro antes de embarcar e retirá-la assim que voltar ao navio. Controle numérico de saída e chegada de quem se aventura para fora do Via Australis.

Embarcamos. As cores laranja dos salva-vida se destacam a centenas de metros. Os rios de neve que descem do topo da cordilheira chocam com nossos rostos durante a travessia. O ronco do motor do Zodiac rasga a água semi-congelada e agita a manhã de sol frio.

Para enfrentarmos esse ambiente com o mínimo de conforto é preciso vestir roupas impermeáveis, botas de trekking, gorro, luva e estarmos prontos para o que é colossal. As imagens não cabem na grande angular da máquina fotográfica, as rajadas de vento surgem como grandes lambadas de uma cauda onipresente chamada clima patagônico.

A pele tropical se retrai. À medida que o corpo vai se adaptando ao macro-clima dos glaciares, os olhos penetram mais fundo na cútis da montanha, despindo-a, lentamente.

Os olhos, porta de entrada dos sentidos, à medida que se adapta ao campo branco que se espraia de uma ponta a outra do glacial, percebe a sutileza das correntes de ar que determinam o bailado das gaivotas. Não é o pássaro que voa, mas são os feixes de vento que o sustentam no ar.

Cada vez menor, o Via Australis, desaparece entre a bruma que o bote deixa para trás.

 A equipe do Via Australis prepara o desembarque com pranchas de madeira e um corrimão 
 feito de corda. Pensam em tudo.

Em nosso primeiro desembarque em terra firme conheceremos de perto os elefantes marinhos, que pesam – disse o guia – em torno de duas toneladas. A equipe do Via Australis prepara o desembarque com pranchas de madeira e um corrimão feito de corda. Pensam em tudo.

* O jornalista Paulo Atzingen viajou a Patagônia Chilena a convite da Sky Airlines, Australis Cruzeiros e Integra Group

LEIA TAMBÉM:

 Via Australis: Glaciares, icebergs e elefantes marinhos marcam viagem à Patagônia Chilena

 DIÁRIO da Patagônia Chilena I, por Paulo Atzingen

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais recentes

    Governo do Guarujá refuta erro em notícia que anuncia restrição hoteleira após reclassificação do Plano SP

    Conforme anunciado pelo Governo de São Paulo e veiculado pelo DIÁRIO, no último dia 30 de novembro, o poder público estadual fez uma reclassificação...

    Arquitetos e historiadores apoiam abaixo-assinado contra privatização do Ginásio do Ibirapuera

    Um abaixo-assinado contra o Projeto de Concessão do Governo do Estado para os equipamentos do Ginásio do Ibirapuera e do Conjunto Desportivo "Constâncio Vaz...

    GOL realiza voo institucional com executivos e colaboradores em seu Boeing 737 MAX

    A GOL realizou nesta quinta-feira (3/12) mais uma etapa importante para o retorno do Boeing 737 MAX à operação: um voo institucional para executivos...

    Com protocolos minuciosos, Feira de Turismo e Negócios do Festival das Cataratas é aberta aos participantes

    Para o idealizador do Festival das Cataratas, Paulo Angeli, cuidado com a saúde e expansão da tecnologia são conquistas das feiras neste período POR ZAQUEU...

    Azul apresenta sua aeronave Ararinha Azul, em Viracopos (Veja Vídeo)

    A aeronave Ararinha Azul da Azul Linhas Aéreas foi apresentada nesta quinta-feira (3) em Viracopos no centro de manutenção da companhia, ao lado do...

    Em solenidade de abertura, 15º Festival das Cataratas destaca a retomada do turismo no Brasil

    “Estamos no momento da retomada, da esperança”, afirmou o idealizador e organizador do Festival das Cataratas, Paulo Angeli POR ZAQUEU RODRIGUES O Festival de Turismo das...

    Relacionadas

    Open chat