Embratur e governo do Amazonas firmam parceria para impulsionar recuperação do turismo no estado

0
90
Presidente da Amazonastur, Roselene Medeiros, governador Wilson Lima e presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, após a assinatura de termo de cessão vídeos e fotos do Amazonas à Embratur. Foto: Embratur/Divulgação

Dados do Amazonastur mostram que 86,32% das empresas do mercado turístico do estado apresentam diminuição de faturamento

Por REDAÇÃO

A Embratur (Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo) firmou uma parceria com o Amazonas para impulsionar a retomada turística do estado. Durante evento realizado em Manaus na sexta (18/9) foi lançado o Programa Amazone-se, de retomada da atividade turística do Amazonas, e assinado um termo de cessão vídeos e fotos do Amazonas para que a Embratur realize campanhas de promoção do destino.

Segundo estudo divulgado pela Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur), 86,32% das empresas de turismo do estado viram o faturamento despencar, e 86,32% perderam clientes. “Todo o trade do turismo sofreu muito com a paralisação das atividades, cancelamento de voos e fechamento de fronteiras. Ainda assim, o Brasil foi um dos países que menos perdeu empregos e que tem o maior potencial para sair na frente nesta retomada”, disse na ocasião o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto.

Devido à pandemia a Embratur atuará no primeiro momento apenas em âmbito nacional. Seis meses após o fim da pandemia, a Agência voltará a atuar no exterior. “Com a transformação da Embratur de Instituto para Agência após da aprovação da MP 907, foi determinado que devemos atuar no Brasil. Por isso, campanhas já estão sendo realizadas para que o brasileiro conheça as maravilhas do seu país, porque ser brasileiro é morar onde o mundo sonha em tirar férias”, falou o presidente da Embratur.

O evento também marcou a abertura da Temporada de Pesca Esportiva da Calha do Rio Negro. O Amazonas é o principal destino nacional para a pesca desportiva, atraindo brasileiros e estrangeiros que vêm atrás do “peacock bass”, o tucunaré, a grande estrela da atividade em áreas de rio. Estudos da Amazonastur estimam que uma única temporada – que vai de outubro a fevereiro do ano subsequente na Calha do Rio Negro – gere uma receita de mais de R$ 80 milhões para o Estado.

A presidente da Amazonastur, Roselene Medeiro, se mostrou otimista com a retomada do turismo no estado. “As pessoas estão ávidas para viajar e para virem para cá vivenciar essa experiência maravilhosa que é navegar pelos nossos rios e caminhar na floresta”.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui