EUA abre fundo de $ 500 milhões para parentes de vítimas do Boeing 737 MAX

Um fundo de indenização de vítimas nos EUA de US$ 500 milhões para os parentes de 346 pessoas mortas em dois acidentes fatais do Boeing 737 MAX foi anunciado na segunda-feira (21), informa artigo da Reuters.

Reuters


O fundo faz parte de um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. A Boeing Co (BA.N) em janeiro concordou em pagar US $ 500 milhões para indenizar os herdeiros, parentes e beneficiários dos passageiros que morreram no voo Lion Air 610 e no voo Ethiopian Airlines 302 em 2018 e 2019.

Cada família qualificada receberá cerca de US $ 1,45 milhão e o dinheiro será pago em uma base contínua conforme os formulários de reivindicação são enviados e preenchidos, disseram os administradores Ken Feinberg e Camille Biros em um comunicado conjunto. As famílias têm até 15 de outubro para preencher os formulários de reclamação.

O Departamento de Justiça e a Boeing ainda não se pronunciaram.

O fundo é parte de um acordo do Departamento de Justiça de US $ 2,5 bilhões alcançado em janeiro com a Boeing depois que promotores acusaram a empresa de fraude na certificação do 737 MAX após um acidente da Lion Air em 29 de outubro de 2019 e um desastre da Ethiopian Airlines em 10 de março, 2019.

O acordo permitiu que a Boeing evitasse processos criminais, mas não impactou os processos civis por parentes das vítimas que continuam.

Em julho de 2019, a Boeing nomeou Feinberg e Biros para supervisionar a distribuição de US $ 50 milhões separados para as famílias dos mortos nos acidentes e a distribuição do novo fundo segue uma fórmula semelhante.

Embora a Boeing tenha em sua maioria acertado os processos da Lion Air, ela ainda enfrenta vários processos no tribunal federal de Chicago por famílias do acidente na Etiópia onde se questiona por que o MAX continuou voando após o primeiro desastre.

O acordo do DOJ inclui uma multa de US $ 243,6 milhões e uma compensação às companhias aéreas de US $ 1,77 bilhão por acusações de conspiração de fraude relacionadas ao projeto defeituoso do avião.

O Departamento de Justiça disse em janeiro: “Os funcionários da Boeing escolheram o caminho do lucro em vez da franqueza, ocultando informações materiais da FAA sobre a operação de seu avião 737 Max e empenhando-se em encobrir seu engano.”

Alguns legisladores dizem que o governo não foi longe o suficiente, enquanto a Boeing afirma que tomou várias medidas para revisar sua cultura de segurança.

O Congresso ordenou uma grande revisão de como a FAA certifica novos aviões em dezembro e dirigiu uma revisão independente da cultura de segurança da Boeing.

Reportagem de David Shepardson Reuters (Tradução DT)

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial